terça-feira

CONVERSANDO COM DEUS - Neale Donald Walsch

CONVERSANDO COM DEUS
Um diálogo sobre os maiores problemas que afligem a humanidade
Livro I
Neale Donald Walsch
Uma seleção das melhores frases escolhidas especialmente por Tom R. para o blog MAIS DE MIL FRASES DE EFEITO.
Se reproduzir este resumo em algum outro veículo de comunicação (blog, TV, vídeo, revista, fórum, jornal, livro, etc.) preserve os créditos acima.

Você está prestes a ter uma experiência extraordinária conversar com Deus. Sim, sim. Eu sei... isso não é possível. Você provavelmente acha (ou lhe ensinaram) que isso não é possível. É claro que podemos falar com Deus, mas não conversar com Ele. Quero dizer, Deus não vai responder, certo? Pelo menos, não na forma de uma conversa normal! Era isso que eu também pensava. Então este livro me aconteceu. Literalmente. Não foi escrito por mim, aconteceu a mim, e ao lê-lo, acontecerá a você, porque somos todos levados à verdade para a qual estamos prontos.
Provavelmente minha vida teria sido muito mais fácil se eu tivesse mantido tudo em segredo. Contudo, não foi por este motivo que aconteceu a mim. E sejam quais forem os inconvenientes que este livro possa causar-me (como ser chamado de blasfemador, impostor ou hipócrita por não ter vivido essas verdades no passado, ou - talvez pior – de santo), não me é possível interromper esse processo agora. E tampouco o desejo.
Tive as minhas chances de recuar e não as aproveitei. Decidi fazer o que os meus instintos me diziam, em vez de me preocupar com o que muitas pessoas pensariam sobre o material apresentado aqui.
Meus instintos me dizem que este livro não é absurdo, fruto do excesso de trabalho de uma imaginação espiritual frustrada, ou simplesmente a justificativa pessoal de um homem que conduziu mal a sua vida. Ah, eu avaliei isso tudo! Então dei este material para algumas pessoas lerem, quando ainda era um manuscrito. Elas ficaram comovidas. Choraram. Também riram com a alegria e o humor presentes nele. E disseram que suas vidas mudaram. Elas ficaram paralisadas e então se fortaleceram. Muitas disseram que foram transformadas.
Foi aí que eu soube que este livro era para todos, e que tinha de ser publicado; porque é um presente maravilhoso para aqueles que se interessam em fazer perguntas e realmente querem respostas, que buscam a verdade com o coração sincero, a alma ansiosa e a mente aberta. E esse pode ser o caso de todos nós.
Este livro responde a quase todas - se não a todas - as perguntas que já fizemos sobre vida e amor, objetivo e função, pessoas e relacionamentos, bem e mal, culpa e pecado, perdão e redenção, o caminho para Deus e para o inferno... tudo. Discute diretamente sexo, poder, dinheiro, filhos, casamento, divórcio, trabalho, saúde, vida após a morte, vida passada... tudo.
Analisa a guerra e a paz, o conhecimento e a ignorância, a alegria e a tristeza. Examina o concreto e o abstrato, o visível e o invisível, a verdade e a mentira.
Poder-se-ia dizer que trata-se da "última palavra de Deus sobre as coisas" , embora algumas pessoas possam ter um pouco de dificuldade em aceitar isso, particularmente se acharem que Deus parou de falar há 2.000 anos ou que, se continuou a falar, foi apenas com santos, curandeiros ou pessoas que meditam há trinta anos, são boas há vinte ou pelo menos um pouco decentes há dez (eu não me incluo em nenhuma das categorias).
A verdade é que Deus fala com todo mundo. Com os bons e os maus, os santos e os canalhas. E certamente com todos nós nos intervalos. Veja você, por exemplo. Deus o procurou de muitos modos em sua vida, e este é apenas outro deles. Quantas vezes ouviu a velha máxima: "Quando o discípulo estiver pronto, o mestre aparecerá?" Este livro é nosso mestre.

Na primavera de 1992 - lembro-me de que foi perto da Páscoa - um extraordinário
fenômeno ocorreu em minha vida. Deus começou a falar com você. Por meu intermédio. Deixe-me explicar.
Naquela época eu estava muito infeliz, pessoal, profissional e emocionalmente. Minha vida parecia ser um fracasso em todos os níveis. Como durante anos tivera o hábito de colocar os meus pensamentos em cartas (que raramente enviava), peguei o meu bloco amarelo de papel almaço e comecei a transcrever minhas emoções. Então, em vez de outra carta para outra pessoa que eu imaginava que estava me vitimando, achei que deveria ir direto à fonte; ao maior vitimador de todos. Decidi escrever uma carta para Deus.
Foi uma carta impulsiva, rancorosa, cheia de confusão, distorções e críticas - e um monte de perguntas feitas com irritação.
Por que a minha vida não dava certo? O que era preciso fazer para que desse certo? Por que eu não conseguia ser feliz nos relacionamentos? Continuaria sempre tendo problemas financeiros? Por fim - e mais enfaticamente - O que eu tinha feito para merecer ter uma vida tão difícil?
Para minha surpresa, quando escrevia a última das perguntas amargas e irrespondíveis e me preparava para pôr de lado a caneta, minha mão permaneceu fixa sobre o papel, como se mantida ali por uma força invisível. De repente, a caneta começou a mover-se sozinha.
Eu não tinha a menor noção do que iria escrever, mas uma idéia pareceu surgir, por isso decidi deixá-la vir. E ela veio...

Quero que você participe deste diálogo o mais rápido possível, porque o que realmente importa não é a minha história, mas a sua. Foi a história da sua vida que o trouxe aqui. É para a sua experiência pessoal que este livro é importante. Caso contrário, você não estaria aqui agora.

Então vamos participar do diálogo com uma pergunta que fiz a mim mesmo durante muito tempo: Como e com quem Deus fala? Quando a fiz a Ele, eis a resposta que recebi:
Eu falo com todo mundo. O tempo todo. A pergunta não é com quem falo, mas quem ouve?

Eu também me comunico através do pensamento. Pensamento e sentimentos não são a mesma coisa, embora possam ocorrer ao mesmo tempo. Quando Eu me comunico através do pensamento, frequentemente uso imagens e figuras. Por isso, os pensamentos são mais eficazes do que as palavras como meios de comunicação. Além de sentimentos e pensamentos, também uso o veículo da experiência como um importante comunicador.
E finalmente, quando os sentimentos, os pensamentos e a experiência falham, uso
palavras. As palavras são de fato o comunicador menos eficaz. São mais sujeitas a erros de interpretação e compreensão.
E por que isso ocorre? Devido ao que as palavras são. As palavras são meramente expressões orais: ruídos que representam sentimentos, pensamentos e experiência. Símbolos. Não são a Verdade, a coisa real.
As palavras podem ajudá-lo a entender algo. A experiência lhe permite saber. No
entanto, há algumas coisas que você não pode experimentar. Por isso, Eu lhe permiti outros meios de saber. E estes se chamam sentimentos. E também pensamentos.
O mais irônico aqui é que todos vocês têm dado muita importância à Palavra de Deus, e pouca à experiência.
De fato, vocês valorizam tão pouco a experiência que quando a sua experiência de Deus difere do que ouviram sobre Ele, automaticamente a rejeitam e se fixam nas palavras, quando deveriam fazer o contrário.

O que vem de Mim é sempre seu Pensamento Mais Elevado, sua Palavra Mais Clara, seu Sentimento Mais Nobre. Todo o restante vem de outra fonte.
Agora a diferenciação se torna fácil, porque não deveria ser difícil nem mesmo para o aprendiz identificar o Mais Elevado, o Mais Claro e o Mais Nobre.

Ainda assim, vou dar-lhes estas orientações:
O Pensamento Mais Elevado é sempre aquele que é alegre. A Palavra Mais Clara é sempre aquela que é verdadeira. O Sentimento Mais Nobre é sempre aquele a que chamam de amor.
Alegria, verdade, amor.
Os três são intercambiáveis, e um sempre leva ao outro. Não importa em que ordem isso ocorre.
Com essas orientações é possível determinar quais mensagens são Minhas e quais vêm de outras fontes. A única dúvida que permanece é se as Minhas mensagens serão ouvidas.
Poucas são. Algumas porque parecem boas demais para serem verdade. Outras, porque parecem difíceis demais de seguir. Muitas, porque simplesmente são mal-interpretadas. A maioria, porque não é captada.

Porque no passado vocês apenas falaram Comigo rezando, pedindo a Minha intervenção, fazendo súplicas. Agora posso responder-lhes, até mesmo da forma como faço aqui.
Como posso saber que essa comunicação é de Deus, que não é fruto da minha própria imaginação?
Qual seria a diferença? Não percebe que Eu poderia com a mesma facilidade usar a sua imaginação, como qualquer outra coisa? Eu lhe darei a qualquer momento os pensamentos certos, as palavras ou os sentimentos que servem ao objetivo prestes a ser atingido, usando um meio, ou vários.
Você saberá que essas palavras são Minhas porque, 'por sua própria conta, nunca falou tão claramente. Se já o tivesse feito, não estaria fazendo perguntas.

Com quem Deus se comunica? Há pessoas e ocasiões especiais?
Todas as pessoas e ocasiões são especiais. Umas não são mais especiais do que outras. Muita gente prefere acreditar que Deus se comunica de modos especiais, apenas com pessoas especiais. Isso tira de muitas pessoas a responsabilidade de ouvir e ainda mais de captar (o que é outra coisa) a Minha mensagem, permitindo-lhes aceitar a palavra de outras para tudo. Elas não têm de Me ouvir, porque concluíram que tais pessoas ouviram Minhas opiniões sobre todos os assuntos, e têm a elas para dar atenção.
Mas ouvindo o que outras pessoas acham que Me ouviram dizer, você não precisa
pensar.
Esse é o principal motivo pelo qual poucos consideram as Minhas mensagens em um nível pessoal. Se você reconhecer que as está recebendo diretamente, será responsável por interpretá-las. É muito mais fácil e seguro aceitar a interpretação das outras pessoas (até mesmo das que viveram há 2.000 anos) do que tentar interpretar a mensagem que você pode estar recebendo neste exato momento.

Eu só poderei contar-lhe a Minha Verdade quando você parar de contar-Me a sua.
Mas minha verdade sobre Deus vem de Vós.
Quem disse isso?
Os outros.
Que outros?
Líderes. Pastores. Rabinos. Padres. Livros. A Bíblia, pelo amor de Deus!
Essas não são fontes competentes.
Não?
Não.
Então quais são?
Fique atento aos seus sentimentos, aos seus Pensamentos Mais Elevados e à sua
experiência. Sempre que qualquer um deles for diferente do que lhe ensinaram seus mestres, ou do que leu em seus livros, esqueça-se das palavras. As palavras são a fonte menos confiável da Verdade.

Há tantas coisas que eu quero dizer e perguntar! Não sei por onde começar.
Por exemplo, por que o Senhor não se revela? Se realmente existe um Deus, e o Senhor é Ele, por que não se revela de um modo que todos nós possamos compreender?
Eu tenho feito isso, repetidamente. E estou fazendo de novo agora.
Não. Quero dizer, através de um método de revelação incontestável.
Como?
Como aparecer agora diante de meus olhos.
Estou fazendo isso.
Onde?
Em todos os lugares para onde olhar.
Não, quero dizer de um modo incontestável, que nenhum homem poderia negar.
E qual seria? Sob que forma gostaria que Eu aparecesse?
A forma que o Senhor realmente tem.
Isso seria impossível, porque não tenho uma forma que vocês conheçam. Poderia adotar uma forma que poderiam conhecer, mas então todos presumiriam que o que viram é a única forma de Deus, não uma dentre muitas.
As pessoas acreditam que Eu sou como elas Me vêem, em vez de como não vêem. Mas Eu sou o Grande Invisível, não aquilo em que Me transformo em um determinado momento. Em certo sentido, Eu sou aquilo que não sou. E é do não ser que Eu venho, e para onde sempre retorno.
Porém, quando Eu assumo uma determinada forma - em que penso que as pessoas podem Me reconhecer - elas Me atribuem essa forma para todo o sempre. E se Eu aparecesse sob outra forma, para outras pessoas, as primeiras diriam que não apareci para as segundas, porque Minha forma e Minhas palavras não foram as mesmas - então como poderia ter sido Eu?
Portanto, o que importa não é o modo ou a forma como Me revelo - seja qual for o modo e a forma que Eu assumir, não serão incontestáveis.

Mas se o Senhor fizesse algo que provasse sem dúvida alguma quem é...
...ainda existiriam aqueles que diriam que era o demônio, ou simplesmente a imaginação de alguém. Ou que a causa era qualquer outra que não Eu.
Se Eu Me revelasse como o Todo-Poderoso, Rei do Céu e da Terra, e movesse
montanhas para prová-lo, haveria aqueles que diriam "Deve ter sido Satanás".
E é assim que deveria ser. Porque Deus não revela a Si Próprio através de observação externa, mas através de experiência interna.
Quando a experiência interna revelou a Deus, a observação externa não é necessária. E se a observação externa for necessária, a experiência interna não será possível.
Portanto, se a revelação for pedida, não poderá ser obtida, porque o ato de pedir é uma afirmação de que ela não existe; de que nada de Deus está sendo agora revelado. Tal afirmação produz a experiência. Porque o seu pensamento a respeito de algo é criativo, e sua palavra é produtiva, e seu pensamento e sua palavra juntos produzem de modo muito eficaz a sua realidade. Por isso, sua experiência será a de que Deus não está sendo agora revelado, porque se estivesse, você não pediria a Ele que se revelasse.

Isso significa que não posso pedir o que desejo? Está dizendo que rezar pedindo algo na verdade nos impede de consegui-lo?
Essa é uma pergunta que é feita há séculos - e que sempre foi respondida. Contudo, vocês não ouviram a resposta, ou não acreditaram nela.
A pergunta é respondida novamente, em termos e linguagem atuais, deste modo:
Você não terá aquilo que pedir, e tampouco não pode ter tudo que quer. Isso ocorre porque o seu próprio pedido é uma afirmação de carência, e você dizer que deseja algo apenas produz essa experiência - a do desejo - em sua realidade.
Portanto, a oração correta nunca é de súplica, mas sim de gratidão.
Quando você agradece a Deus antecipadamente pelo que escolheu experimentar em sua realidade, de fato reconhece que isso está lá... realmente. Logo, a gratidão é a afirmação mais convincente para Deus; uma afirmação de que mesmo antes de você pedir, Eu atendi o seu pedido.
Então, nunca suplique. Agradeça.

Mas se eu agradecer antecipadamente a Deus por alguma coisa, e ela nunca acontecer? Isso poderia levar à desilusão e amargura.
A gratidão não pode ser usada como um meio de manipular Deus: de enganar o universo. Você não pode mentir para si mesmo.
Sua mente conhece a sinceridade de seus pensamentos. Se você disser “obrigado, Senhor, por tais e tais dádivas", e o tempo todo estiver muito claro em sua mente que essas dádivas não existem em sua realidade atual, não poderá esperar que Deus veja isso menos claro do que você, e o produza para você.
Deus sabe o que você sabe, e o que você sabe é o que aparece como sua realidade.

Mas então, como posso ser sinceramente grato por algo que sei que não tenho?
Fé. Se tiver apenas a fé de uma semente de mostarda, moverá montanhas. Você passa a saber que tem, porque Eu disse isso; porque Eu disse que, antes mesmo de você pedir, Eu lhe darei; porque Eu disse de todos os modos possíveis, através de todos os mestres que conhece, que tudo que escolher, escolhendo em Meu Nome, terá.

Portanto, se você suplicar terá muito menos chances de experimentar o que acha que está escolhendo, porque o Pensamento Responsável por trás de todas as súplicas é o de que você não tem agora o que deseja. Esse Pensamento Responsável se torna a sua realidade.
O único Pensamento Responsável que poderia repelir esse pensamento é o baseado na fé em que Deus sempre atenderá a todos os pedidos. Algumas pessoas têm essa fé, mas são muito poucas.

Se você pensa que Deus é um ser onipotente que ouve todas as preces, diz "sim" para algumas, "não" para outras e "talvez, mas não agora" para o restante, está enganado.
Seguindo que regras Ele decidiria?
Se você pensa que Deus é o criador e direcionador de todas as coisas em sua vida, está enganado. Deus é o observador, não o criador. E Ele está pronto para ajudá-lo a viver, mas não do modo que você poderia esperar. Não é função de Deus criar, ou não criar, as situações ou funções de sua vida. Deus criou você à Sua imagem e semelhança. Você criou o resto, através do poder que Ele lhe deu. Deus criou o processo da vida e a própria vida como você os conhece. Contudo, deu-lhe o livre-arbítrio, para fazer dela o que quiser.
Neste sentido, seu desejo para si mesmo é o desejo de Deus para você.

Foram os seus pais que lhes ensinaram que o amor é condicional- vocês tiveram
consciência de suas condições muitas vezes - e é essa a experiência que levam para os seus próprios relacionamentos amorosos. Também é a experiência que levam para Mim. A partir dessa experiência, tiram suas conclusões sobre Mim.
Dentro dessa estrutura, contam a sua verdade. Dizem: "Deus é amoroso, mas se vocês não cumprirem os Seus Mandamentos, Ele os punirá com o desterro e a condenação eterna."

Vocês se esqueceram de como é ser amado incondicionalmente. Não se lembram da experiência do amor divino. E por isso tentam imaginar como deve ser o amor de Deus baseado no que sabem sobre o amor no mundo.
Vocês projetaram o papel de "pai" em Deus, e por esse motivo imaginam um Deus que julga, recompensa ou pune, baseado em como Ele se sente em relação ao que fizeram. Mas essa é uma visão simplista de Deus, baseada em sua mitologia. Não tem nada a ver com Quem Eu Sou.
Tendo assim criado todo um sistema de pensamento sobre Deus baseado na experiência humana, em vez de nas verdades espirituais, vocês imaginam toda uma realidade a respeito do amor. É uma realidade baseada no medo, na idéia de um Deus temível e vingativo.

No início, o que É era tudo que havia. Porém, Tudo Que É não podia conhecer-se -
porque não havia mais coisa alguma. E então, Tudo Que É... não era. Porque, na ausência de outra coisa, Tudo Que É não é.
Esse é o grande Ser ou Não Ser a que os místicos se referem desde o início dos tempos. Tudo Que É sabia que era tudo que existia - mas isso não era suficiente, porque só podia conhecer a sua total magnificência conceitua/mente, não experimentalmente. Contudo, a  experiência de Si Mesmo era aquilo pelo que ansiava, porque desejava saber como era ser tão magnificente. Mas isso era impossível, porque o próprio termo "magnificente" é um termo relativo. Tudo Que É só poderia saber como era ser magnificente, quando o que não é surgisse.

Criando o que é "aqui" e o que é "lá", Deus tornou possível conhecer a Si Mesmo. No momento dessa grande explosão interior, criou a relatividade - a maior dádiva que Ele já deu a Si Mesmo. Portanto, o relacionamento é a maior Dádiva que Ele já deu a vocês, um ponto a ser discutido detalhadamente mais tarde.
Portanto, do Nada surgiu o Tudo - um evento espiritual perfeitamente compatível com o que os seus cientistas chamam de Teoria da Grande Explosão.
Quando todos os elementos se precipitaram para frente, o tempo foi criado, porque
primeiro uma coisa estava aquI, e depois lá e o período que havia demorado para ir daqui para lá era mensurável.
Assim como as partes visíveis do Tudo Que É começaram a se definir "relativamente" umas às outras, as invisíveis também se definiram.
Deus sabia que para o amor existir - e conhecer-se como amor puro - seu exato oposto também tinha de existir. Por isso, Ele criou voluntariamente a grande polaridade ----, o oposto absoluto do amor - tudo que o amor não é - o que agora é chamado de medo. No momento em que o medo existiu, o amor pôde existir como algo que podia ser experimentado. É a essa criação da dualidade entre o amor e o seu oposto que os seres humanos se referem em suas várias mitologias como o aparecimento do mal, a desgraça de Adão, a rebelião de Satanás e assim por diante.

Do mesmo modo como vocês escolheram personificar o amor puro como aquele a quem chamam de Deus, escolheram personificar o medo abjeto como aquele a quem chamam de demônio. Algumas pessoas na Terra criaram mitologias bastante elaboradas em torno desse evento, cheias de cenários de lutas e guerra, anjos guerreiros e demônios, as forças do bem e do mal, da luz e das trevas.
Essa mitologia foi a primeira tentativa da humanidade de compreender, e contar às outras pessoas de um modo que pudessem compreender, uma ocorrência cósmica da qual a alma humana está muito consciente, mas que a mente mal pode conceber.
Criando o universo como uma versão dividida de Si Mesmo, Deus produziu, a partir de pura energia, tudo que agora existe visível e invisível.

Meu propósito divino ao Me dividir foi criar partes suficientes de Mim para poder
conhecer a Mim Mesmo experimentalmente. Há apenas uma forma do Criador conhecer-se experimentalmente como tal, e essa forma é criar. E então Eu dei às inúmeras partes de Mim (a todos os meus filhos espirituais) o mesmo poder de criar que Eu tenho como o todo. Isso é o que as suas religiões querem dizer quando afirmam que vocês foram criados "à imagem e semelhança de Deus". Isso não significa, como alguns sugeriram, que nossos corpos físicos se assemelham (embora Eu possa adotar qualquer forma física que escolher para um objetivo particular). Significa que nossa essência é a mesma. Somos feitos da mesma essência. SOMOS a "mesma essência"! Com as mesmas propriedades e habilidades - inclusive a habilidade de criar a realidade física a partir do nada.

Meu objetivo ao criá-los, Meus filhos espirituais, foi conhecer a Mim Mesmo como
Deus. Só posso fazer isso através de vocês. Portanto, pode-se dizer (como foi dito muitas vezes) que o Meu objetivo é que vocês se conheçam como Eu. Isso parece muito simples, mas se torna muito complexo - porque só há um modo de vocês se conhecerem como Eu: primeiro se conhecerem como não Eu.

Explicando isso de um modo simplista, vocês não podem saber que são altos, se não souberem o que é ser baixo. Não podem experimentar a parte de si mesmos que chamam de gorda, se não souberem o que é ser magro.
Seguindo a lógica primária, vocês só podem experimentar a si mesmos como o que são quando se deparam com o que não são. É essa a finalidade da teoria da relatividade, e de toda a vida física. É de acordo com os que não são que vocês se definem. Agora no caso do conhecimento primário - de se conhecerem como o Criador- vocês só podem experimentar a si mesmos como o Criador quando criam. E só podem criar a si mesmos quando se destroem. Em certo sentido, primeiro têm de "não ser" para ser. Está entendendo?

Então vocês fizeram a melhor rota a seguir. Obrigaram-se a esquecer Quem Realmente São. Ao entrarem no universo físico, renunciaram à lembrança de si mesmos. Isso lhes permite escolher ser Quem São, em vez de apenas, por assim dizer, acordar no castelo.

Vocês não podem não ser Meus filhos, por mais que tentem - mas podem esquecer. Vocês são, sempre foram e sempre serão, uma porte divino do todo divino, um membro do corpo. É por isso que o ato de reincorporar-se ao todo, de voltar para Deus, é chamado de lembrança. Vocês de fato escolhem lembrar Quem Realmente São, ou unir-se às suas várias partes para experimentar o seu todo, ou seja, Tudo de Mim.
Portanto, sua função na Terra não é aprender (porque já sobem), mas sim lembrar-se de Quem São; e de quem todas as outras pessoas são. É por isso que uma grande parte de sua função é lembrar aos outros (isto é, relembrar), para que também possam lembrar-se.
Todos os maravilhosos mestres espirituais têm feito justamente isso. Esse é o seu único objetivo. Ou seja, o objetivo da sua alma.

Se Deus é perfeito e ama a todos, por que criaria as pestes e a fome, as guerras e doenças, os terremotos, tornados, furacões e todos os desastres naturais, as grandes desilusões pessoais e calamidades mundiais?
A resposta para essa pergunta está no maior mistério do universo e no significado mais importante da vida.
Eu não demonstro a Minha bondade criando apenas o que chamam de perfeição ao seu redor. Não demonstro o Meu amor sem permitir-lhes demonstrar o seu.

No absoluto não existe experiência, há apenas conhecimento. O conhecimento é um estado divino, mas a maior alegria está em ser. Só se consegue ser depois da experiência. A evolução é esta: conhecimento, experiência, ser. Essa é a Santíssima Trindade, que é Deus.

Terremotos e furacões, enchentes e tornados e outras calamidades que vocês chamam de desastres naturais são apenas movimentos dos elementos de uma polaridade para a outra. Todo o ciclo de nascimento e morte é parte desse movimento. Esses são os ritmos da vida, e tudo na esfera inferior está sujeito a eles, porque a vida em si é um ritmo. É uma onda, uma vibração, uma palpitação no próprio coração do Tudo Que É.
A doença e o mal-estar são os opostos da saúde e do bem-estar, e se manifestam em sua realidade obedecendo às suas ordens. Vocês não podem adoecer sem provocar a doença em algum nível, e podem ficar sadios de novo em um instante simplesmente decidindo por isso. As grandes desilusões pessoais são reações escolhidas, e as calamidades mundiais são o resultado da consciência mundial.

Sua pergunta supõe que Eu escolho esses eventos, que é a Minha vontade e o Meu desejo que aconteçam. Contudo, Eu não desejo que esses desastres naturais aconteçam, apenas observo vocês ocasionando-os. E não faço nada para impedi-los, porque isso seria contrariar a sua vontade, o que, por sua vez, os privaria da experiência de Deus, que é a experiência que vocês e Eu escolhemos juntos. Portanto, não condene tudo que chamaria de ruim no mundo. Em vez disso, pergunte-se o que considerou ruim e o que deseja fazer para mudá-lo.

Isso é verdadeiro para todas as almas, e portanto você vê que não há vítimas no universo, apenas criadores. Todos os Mestres que nasceram neste planeta sabiam disso. É por esse motivo que nenhum deles se imaginava vitimizado, embora muitos literalmente tenham sido crucificados. Cada alma é um Mestre, embora algumas almas não se lembrem de suas origens ou heranças. Contudo, cada qual cria a situação e condição para o seu objetivo mais elevado e a sua lembrança mais rápida - em cada momento chamado de agora. Então não julgue o caminho cármico trilhado por outra pessoa. Não sinta inveja do sucesso e nem pena do fracasso, porque não sabe o que é sucesso ou fracasso na avaliação da alma. Não diga que algo é uma calamidade ou um evento feliz até decidir, ou testemunhar, qual é seu objetivo. Pois a morte é uma calamidade se salvar as vidas de milhares de pessoas? E a vida é um evento feliz se só causar sofrimento? Contudo, não
deve julgar nem mesmo isso. Guarde sempre para si mesmo as suas opiniões, e deixe os outros fazerem o mesmo.
Isso não significa ignorar um pedido de ajuda, ou a ânsia de sua própria alma de
trabalhar visando a mudança de alguma situação ou condição. Significa evitar rótulos e julgamentos enquanto faz o que quer que seja. Porque todas as situações são uma dádiva, e cada experiência é um tesouro oculto.

Certa vez, existiu uma alma que sabia que era a luz. Sendo uma alma nova, ansiava por experiência. "Eu sou a luz", dizia repetidamente. Mas todo o seu conhecimento e todas as suas palavras não podiam substituir a experiência de ser a luz. E na esfera onde essa alma surgiu, só havia luz. Todas as almas eram sublimes e magnificentes, e irradiavam o brilho da Minha grande luz. E por isso a pequena alma em questão era como uma vela sob o sol.
No meio da luz maior - da qual era parte - não podia ver a si mesma, experimentar-se como Quem Realmente Era.
Acontece que aquela alma desejava muito conhecer a si mesma. Tão profundo era esse seu desejo que um dia Eu lhe disse:
- Você sabe, Pequena Alma, o que deve fazer para satisfazer o seu desejo?
- Ah, o que, Deus? O quê? Eu farei qualquer coisa - disse ela.
- Deve separar-se do restante de nós - disse Eu - e então evocar a escuridão.
- O que é a escuridão, ó Santíssimo? - perguntou a pequena alma.
- O que você não é.
E a alma compreendeu. Afastou-se do todo, chegando a ir até outra esfera. Nela, teve o poder de experimentar todos os tipos de escuridão. E o fez.
Contudo, no meio daquelas trevas, gritou:
- Pai, Pai, por que me abandonastes?
Vocês têm feito isso em seus momentos mais difíceis. Entretanto, eu nunca os abandonei. Estou sempre ao seu lado pronto para lembrar-lhes Quem Realmente São; para chamá-los de volta ao lar.
Por isso, sejam uma luz na escuridão, e não a amaldiçoem.
E não se esqueçam de Quem São no momento em que forem rodeados pelo que não são. Mas louvem a criação, mesmo quando tentarem mudá-la.
E saibam que aquilo que fizerem no seu momento de maior sofrimento poderá ser a sua maior vitória. Porque a experiência que criam é uma afirmação de Quem São - e de Quem Desejam Ser.
Eu lhe contei essa história - a parábola da pequena alma e do sol- para que você pudesse compreender melhor porque o mundo se encontra na situação atual, e como ele poderá mudar no momento em que todos se lembrarem da verdade divina de sua realidade mais transcendente.

Há aqueles que dizem que a vida é uma escola, e que as coisas que o ser humano observa e experimenta em sua vida visam o seu aprendizado. Eu já disse isso antes, e vou repetir: Vocês vieram a este mundo sem nada a aprender - só têm de demonstrar o que já sabem. Ao demonstrá-lo vocês se recriam, através de suas experiências. Dessa forma, justificam a vida, dão-lhe um objetivo e tornam-na sagrada.

Em algum nível todos vocês criaram o que dizem que detestam - e portanto, o
escolheram. Esse é um nível avançado de pensamento que todos os Mestres atingem mais cedo ou mais tarde. Porque é apenas quando eles aceitam a responsabilidade por tudo é que podem ter o poder de mudar parte disso.
Enquanto você nutrir a idéia de que há algo ou alguém "fazendo isso" com você, não terá o poder de fazer nada a respeito. Somente quando disser "eu fiz isso" poderá ter o poder de mudá-lo.

Tente então criar mudança não porque algo está errado, mas porque não é mais uma afirmação exata de Quem Você É.

Também há apenas um motivo para desfazer alguma coisa: ela não ser mais uma afirmação de Quem Você Deseja Ser, não o refletir, não o representar.

As calamidades e os desastres naturais do mundo - seus tornados e furacões, vulcões e enchentes - desordens físicas - não são especificamente criações suas. O que você cria é o grau em que esses eventos afetam a sua vida.

Há eventos no universo que nenhum vôo da imaginação poderia afirmar que você
provocou ou criou. Esses eventos foram criados pela consciência combinada do homem. Todo o mundo, criando junto, produz essas experiências. O que cada um de vocês faz individualmente é passar por elas, decidindo o que significam para vocês - se é que têm algum significado – e Quem e O Que Vocês São em relação a elas.

Portanto, vocês criam coletiva e individualmente a vida e os tempos que estão
experimentando, e o objetivo é a evolução da alma. Você perguntou se há um modo menos doloroso de passar por esse processo - e a resposta é sim. Contudo, nada em sua experiência exterior terá mudado. O modo de diminuir o sofrimento que você associa às experiências e ocorrências terrenas - tanto as suas como as das outras pessoas - é mudar o modo de vê-Ias.

O inferno é o oposto da alegria. É insatisfação. É saber Quem e O Que Você É, e não experimentá-los. É ser menos. Isso é inferno, e não existe um maior para a sua alma. Mas o inferno não existe como esse lugar que vocês fantasiaram, onde queimam em um fogo eterno, ou existem em um estado de tormento eterno. O que Eu ganharia com isso?
Mesmo se Eu tivesse o pensamento extraordinariamente Não Divino de que vocês não "mereciam" o céu, por que precisaria procurar algum tipo de vingança ou punição por seu fracasso? Não poderia simplesmente dar fim a vocês? Que parte vingativa de Mim exigiria que Eu os condenasse a um sofrimento eterno indescritível? Se você responder que Eu faria isso por uma necessidade de justiça, uma simples negação de comunhão Comigo no céu não serviria ao mesmo objetivo? A imposição de um sofrimento eterno também seria necessária?

Mas se não há inferno, isso significa que posso fazer o que quiser, realizar qualquer ato, sem medo de punição?
É do medo que você precisa para ser, fazer e ter o que é intrinsecamente certo? Tem de se sentir ameaçado para "ser bom"? E o que é "ser bom"? Quem tem a palavra final sobre isso? Quem dá as diretrizes? Quem cria as regras? Eu digo que é você quem cria as suas próprias regras, que dá as diretrizes. É você quem decide o quanto se saiu bem. Porque é o único que decidiu Quem e O Que Realmente É – e Quem Deseja Ser. Você é a única pessoa que pode avaliar como está se saindo. Ninguém mais o julgará, por que e como Deus poderia julgar a sua própria criação e considerá-la ruim? Se Eu quisesse que vocês fossem perfeitos e fizessem tudo certo, teria deixado que ficassem no estado de total perfeição de onde vieram. Todo o objetivo do processo foi fazê-los descobrir a si mesmos, criar os seus Eus, como realmente são e desejam ser. Contudo, vocês só poderiam ser isso se tivessem uma chance de ser outra coisa.
Então Eu deveria puni-los por fazerem uma escolha que coloquei à sua frente? Se Eu não quisesse que vocês fizessem a segunda escolha, por que criaria outra além da primeira? Essa é uma pergunta que devem fazer a si mesmos antes de Me atribuírem o papel de um Deus condenador. A resposta direta para a sua pergunta é sim, você pode fazer o que quiser sem medo de punição. Contudo, terá de arcar com as consequências. As consequências são os resultados naturais, que não são o mesmo que punições. São simplesmente isso, o que resulta da aplicação natural das leis naturais. Estas são o que ocorre, bastante  previsivelmente, como uma consequência do que aconteceu.
Toda a vida física funciona de acordo com as leis naturais. Quando você se lembrar dessas leis, e aplicá-las, controlará a vida no plano físico. O que lhe parece punição - ou o que chamaria de mal, ou má sorte - é apenas uma lei natural fazendo-se valer.

Quer dizer que uma alma escolhe antecipadamente que tipo de vida terá?
Não, isso iria contra o objetivo do encontro, que é criar a sua experiência - e portanto, o seu Eu - no glorioso momento atual. Por esse motivo, você não escolhe antecipadamente a vida que terá. Mas, pode escolher as pessoas, os lugares e os eventos - as condições e circunstâncias, os desafios e obstáculos, as  oportunidades e opções - para criar a sua experiência. Você pode escolher as cores para a sua palheta, as ferramentas para o seu baú, as máquinas para a sua loja. O que cria com elas é assunto seu. Esse é o objetivo da vida.

Por isso, bendiga todas as pessoas e condições, e agradeça. Desse modo, afirmará que o que Deus criou é perfeito - e mostrará a sua fé Nele. Porque nada acontece por acaso no mundo de Deus. Não existe coincidência. O mundo não é devastado por acaso, ou devido ao que você chama de destino.

Mas até mesmo Jesus curou os doentes. Por que Ele os curaria se a sua condição fosse tão "perfeita"?
Jesus não os curou porque achava que a sua condição era imperfeita. Ele os  curou porque viu aquelas almas pedindo a cura como parte de seu processo. Viu a perfeição do processo. Reconheceu e compreendeu a intenção da alma.

Por que Deus permite o sofrimento? Esta pergunta já foi feita antes, e a resposta é a mesma. Há perfeição no processo - e toda a vida resulta da escolha. Não se deve interferir na escolha, ou questiona-la. Muito menos se deve condená-la.
Deve-se observá-la, e depois fazer o possível para ajudar a alma a fazer uma escolha superior. Portanto, esteja atento às escolhas das outras pessoas, mas não as julgue. Saiba que a sua escolha é perfeita para elas neste momento - mas esteja pronto para ajudá-las se mais tarde quiserem fazer uma escolha nova, diferente, uma escolha superior.

O "certo" ou "errado" não é uma condição intrínseca, é um julgamento subjetivo em um sistema pessoal de valores. Através de seus julgamentos subjetivos você cria o seu Eu - através de seus valores pessoais determina e demonstra Quem É.
O mundo existe exatamente como é para que você possa fazer esses julgamentos. Se existisse em perfeitas condições, seu processo vital de criação do Eu terminaria. A carreira de um advogado terminaria amanhã se não existissem mais litígios. Ocorreria o mesmo com a carreira de um médico se não existissem mais doenças. A carreira de um filósofo também terminaria se não existissem mais dúvidas.

Temos muito interesse em continuar o jogo. Apesar do fato de que dizemos que
gostaríamos de resolver todos os problemas, não ousamos fazer isso, porque nesse caso não teríamos mais o que fazer.

Está dizendo que o mundo sempre terá problemas? Que realmente quer que seja assim?
Estou dizendo que o mundo existe do jeito que é - como um floco de neve existe do jeito que é - propositalmente. Vocês o criaram assim - como criaram as suas vidas exatamente como são. Eu quero o que vocês querem. Quando realmente quiserem acabar com a fome, não haverá mais fome. Eu lhes dei todos os recursos para isso. Todos vocês têm os meios para fazerem essa escolha.
Mas não a fizeram. O mundo poderia acabar com a sua fome amanhã. Vocês escolhem não fazer isso.

Estão destruindo sistematicamente o seu meio ambiente, e depois dizem que os desastres naturais são uma peça cruel que Deus pregou, ou obra de uma Natureza cruel. Vocês é que pregaram a peça em si mesmos, e que são cruéis.
Nada é mais gentil do que a Natureza. E nada tem sido mais cruel com a Natureza do que o homem. Porém, vocês negam qualquer envolvimento e responsabilidade nisso. Dizem que não é sua culpa, e nesse ponto estão certos. Não é uma questão de culpa, mas sim de escolha.

Eu não farei nada por vocês que não farão por si mesmos. Esta é a lei e é o que dizem os profetas. O mundo está nas condições atuais por causa de vocês, e das escolhas que fizeram – ou deixaram de fazer. (Não decidir é decidir.)
A Terra está como está por causa de vocês, e das escolhas que fizeram - ou deixaram de fazer. Suas próprias vidas estão como estão por causa de vocês, e das escolhas que fizeram – ou deixaram de fazer.

Os acidentes acontecem porque acontecem. Certos elementos do processo da vida se juntam de um determinado modo em um determinado momento e com determinados resultados - que vocês chamam de desastrosos, por seus motivos particulares. Contudo, podem não ser de modo algum desastrosos, dada a determinação da sua alma. Eu lhes digo: Não existe coincidência, e nada acontece "por acaso". Vocês atraem para si todos os eventos, para poderem criar e experimentar Quem Realmente São. Todos os verdadeiros Mestres sabem disso. Este é o motivo pelo qual ficam imperturbáveis diante das piores experiências da vida (como vocês as definiriam).

O maior ensinamento de Cristo não foi que vocês terão vida eterna, mas que têm; não que terão fraternidade em Deus, mas que têm; não que terão tudo que pedirem, mas que têm. Tudo o que é preciso é saber disso. Porque vocês criam a sua realidade, e a vida só poderá ser para vocês como pensam que será.
Pensar é o primeiro passo na criação. Deus-Pai é pensamento. Seu pensamento é o pai que dá origem a todas as coisas.

A Primeira lei é que você pode ser, fazer e ter tudo que imaginar. A Segunda lei é que você atrai aquilo que teme.
Por quê?
A emoção é a força que atrai. Você experimentará aquilo que teme muito.

O que tem sido descrito como a queda de Adão, na verdade foi o seu erguimento – o maior evento isolado na história da humanidade. Porque sem ele, o mundo da relatividade nunca existiria. O ato de Adão e Eva não foi o pecado original. Na verdade, foi a primeira bênção. Vocês deveriam agradecer-lhes do fundo de seus corações - porque sendo os primeiros a fazer a escolha" errada", produziram a possibilidade de fazer qualquer escolha. Em sua mitologia vocês tornaram Eva a "má" - a tentadora que comeu o fruto do conhecimento do bem e do mal - e induziu Adão a fazer o mesmo. Essa mitologia lhes permitiu tornar desde então a mulher a "ruína" do homem, o que resultou em todos os tipos de deturpação da realidade - sem falar nas visões distorcidas do sexo e nas confusões.

Quando vocês forem para a esfera do absoluto, irão para a esfera do amor.
A esfera do relativo foi criada para que Eu pudesse experimentar o Meu Eu. Isso já foi explicado, e não torna a esfera do relativo real. Ela é uma realidade criada que Eu e vocês projetamos - para podermos nos conhecer experimentalmente.
Contudo, a criação pode parecer muito real. O objetivo é parecer tão real que nós a aceitamos como verdadeira. Assim, Eu pude criar "algo mais" além de Mim Mesmo (embora em termos exatos isso seja impossível, porque Deus é - EU SOU - Tudo Que É). Ao criar "algo mais" - a esfera do relativo - Eu produzi um ambiente em que vocês podem escolher ser Deus, em vez de simplesmente lhes dizerem que são Deus; experimentar a divindade como um ato de criação, em vez de como um conceito, em que a pequena vela sob o sol - a pequena alma - pode conhecer-se como a luz.

Foi dito que se você não vê Deus no profano e no sagrado, perde metade da história. Essa é a grande Verdade. Deus está na alegria e na tristeza, no doce e no amargo. Há um propósito divino por trás de tudo - e, portanto uma presença divina em tudo.

Pensa que Deus não consegue rir? Imagina que não gosta de uma boa piada? Acha que  não tem senso de humor? Eu lhe digo, Deus inventou o humor.
Você tem de falar Comigo formalmente? As gírias e a linguagem rude estão além da Minha compreensão? Eu lhe digo que pode falar Comigo como falaria com o seu melhor amigo. Você acha que há uma única palavra que Eu não conheço? Algo que não vi? Um som que não ouvi?
Pensa que desprezo algumas dessas coisas, e gosto de outras?
Eu lhe digo que não desprezo coisa alguma. Nada é repulsivo para mim. Tudo é vida, e a vida é a dádiva; o tesouro indescritível; o mais sagrado.
Eu sou vida, porque sou o que a vida é. Todos os seus aspectos têm um propósito divino. Nada existe - nada - sem um motivo compreendido e aprovado por Mim.

O mal é o que você chama de mal. Contudo, até mesmo isso Eu amo, porque é apenas através do que você chama de mal que pode conhecer o bem; apenas através do que chama de obra do demônio que pode conhecer e realizar a obra de Deus. Eu não amo o quente mais do que o frio, o alto mais do que o baixo, a esquerda mais do que a direita. Tudo isso é relativo, parte daquilo que é.

Tudo é "aceitável" para Deus, pois como Deus poderia não aceitar aquilo que é? Rejeitar uma coisa é negar que ela existe. Dizer que não está certa é dizer que não é parte de Mim - e isso é impossível. Contudo, mantenha as suas crenças e aja de acordo com os seus valores, porque esses são os valores de seus pais, seus avós, seus amigos e sua sociedade. Eles formam a estrutura de
sua vida, e perde-los seria desfiar o tecido da sua experiência. Ainda assim, examine-os um a um, parte a parte. Não destrua a casa, mas examine cada tijolo, e substitua aqueles que parecem quebrados, que não suportam mais a estrutura.
Suas idéias sobre o certo e o errado são apenas isso - idéias. São os pensamentos que criam e determinam Quem Você É. Haveria apenas um motivo para mudar qualquer um deles: você não estar feliz com Quem é.

Se seus valores servem para você, aja de acordo com eles. Lute para defendê-los.
Contudo, procure lutar de um modo que não cause dano a ninguém. O dano não é um componente necessário na cura.

Todos sabem que a experiência sexual pode ser a experiência física mais amorosa, excitante, poderosa, estimulante, renovadora, energizante, positiva, íntima, intuitiva e divertida de que os seres humanos são capazes. Apesar de terem descoberto isso experiencialmente, vocês escolheram aceitar os julgamentos, as opiniões e as idéias anteriores sobre o sexo de outras pessoas - que têm um interesse oculto em como vocês pensam. Esses julgamentos e essas opiniões e idéias contradizem diretamente as suas próprias experiências, mas como vocês relutam em considerar errado o que lhes ensinaram seus mestres, convencem-se de que devem ser as suas experiências que estão erradas. O resultado é que negam a sua própria verdade em relação a esse assunto, com consequências devastadoras. Vocês fizeram o mesmo em relação ao dinheiro. Sempre que tiveram muito dinheiro, sentiram-se bem, recebendo-o e gastando-o. Não havia mal nenhum nisso, nada de inerentemente "errado". Contudo, vocês estavam tão imbuídos dos ensinamentos de outras pessoas a respeito desse assunto que rejeitaram as suas experiências a favor da "verdade".
Tendo aceitado essa "verdade" como sua, formaram pensamentos em torno dela - que são criativos. Dessa forma, criaram uma realidade pessoal em torno do dinheiro que o afasta de vocês; afinal de contas, por que iriam procurar atrair o que não é bom? Surpreendentemente, vocês criaram essa mesma contradição no que diz respeito a Deus. Tudo que seus corações experimentam em relação a Deus lhes diz que Ele é bom. Tudo que seus mestres lhes ensinam sobre Deus lhes diz que Ele é mau. Seus corações lhes dizem que Deus deve ser amado sem medo. Seus mestres lhes dizem que Ele deve ser temido, porque é vingativo. Dizem que vocês devem viver temendo o castigo divino, tremendo em Sua presença. Durante todas as suas vidas devem temer o julgamento do Senhor. Porque o Senhor é "justo". E Deus sabe que terão problemas quando enfrentarem a Sua terrível
justiça. Portanto, vocês devem "obedecer" às Suas ordens. Ou então...

Em primeiro lugar, vocês não devem fazer perguntas lógicas como, "se Deus queria uma obediência cega às Suas leis, por que criou a possibilidade dessas leis serem violadas"? Ah, todos os seus mestres lhes dizem - porque Ele queria que vocês tivessem o "livre-arbítrio". No entanto, que tipo de arbítrio é livre quando escolher uma coisa dentre outras leva à condenação? Como o arbítrio é livre quando não é a sua vontade, e sim a de outrem, que deve ser feita? Aqueles que lhes ensinam isso fazem Deus parecer hipócrita.
É dito a vocês que Deus é perdão e compaixão - contudo, se não pedirem esse perdão do "modo certo", se não "procurarem Deus" adequadamente, suas súplicas não serão ouvidas e atendidas.

Por isso, a maioria de vocês passa a maior parte da vida adulta procurando o modo "certo" de adorar, obedecer e servir a Deus. A ironia de tudo isso é que Eu não quero a sua adoração, não preciso da sua obediência e não é necessário que sirvam a Mim. Esses comportamentos são os historicamente exigidos dos súditos pelos monarcas - geralmente ego-maníacos, inseguros e tirânicos. Não são de modo algum exigências divinas - e parece notável que até agora o mundo não tenha concluído que são falsas, não tendo nada a ver com as necessidades ou os desejos da Divindade. A Divindade não tem necessidades. Tudo Que É, é exatamente isso: tudo que é. Portanto, por definição não tem necessidades e nem deseja coisa alguma. Se vocês escolherem acreditar em um Deus que precisa de alguma coisa - e fica tão ofendido se não a tiver que pune aqueles de quem esperava recebê-la - então terão escolhido acreditar em um Deus muito inferior a Mim. Na verdade, serão Filhos de um Deus Inferior.

Não, meus filhos, por favor, deixem-Me afiançar-lhes novamente, através deste livro, que Eu não tenho necessidades. Não exijo coisa alguma. Isso não significa que não tenho desejos. Desejos e necessidades são coisas diferentes (embora muitos de vocês as tenham igualado em suas vidas atuais). O desejo é o começo de toda criação. É o primeiro pensamento, um sentimento profundo dentro da alma. É Deus escolhendo o que criar a seguir. E qual é o desejo de Deus?
Eu desejo primeiro saber e experimentar Quem Sou, em toda plenitude - para conhecer Quem Realmente Sou. Antes de criar você - e tudo o que há no universo - era impossível compreender isso.
Em segundo, Eu desejo que vocês saibam e experimentem Quem Realmente São, através do poder que lhes dei de criar e experimentar a si mesmos do modo que escolherem.
Em terceiro, Eu desejo que todo o processo da vida seja uma experiência de alegria constante, criação contínua, desenvolvimento incessante e satisfação plena em todos os momentos.
Eu criei um sistema perfeito por meio do qual esses desejos podem ser realizados, e estão sendo realizados agora. A única diferença entre vocês e Eu é que Eu sei disso. No momento de sua conscientização total (que poderia ocorrer a qualquer tempo), vocês também se sentirão como Eu sempre me sinto. Serão totalmente felizes, amorosos, compreensivos, glorificados e gratos.

Sim, aja de acordo com os seus valores - se descobrir por experiência própria que eles lhe servem. Contudo, veja se os valores aos quais você serve, com seus pensamentos, suas palavras e seus atos, trazem para a sua experiência a idéia melhor e mais elevada que já teve de si mesmo.

A maioria dos autores do Novo Testamento nunca conheceu ou viu Jesus em suas vidas. Eles viveram muitos anos depois que Ele deixou a Terra. Não reconheceriam Jesus de Nazaré se o vissem na rua.

Os autores da Bíblia tinham muita fé e eram grandes historiadores. Ouviram as histórias que foram contadas a eles e a seus amigos por pessoas mais velhas - que as tinham ouvido de outras pessoas mais velhas - até finalmente fazerem um registro escrito. E nem tudo que os autores da Bíblia escreveram foi incluído no documento final. Os ensinamentos de Jesus já tinham levado ao aparecimento de "igrejas" - e, como acontece sempre que as pessoas se reúnem em grupos formados em torno de uma idéia influente, havia certos indivíduos dentro dessas igrejas, ou desses enclaves, que determinavam que partes da História de Jesus seriam contadas - e como. Esse processo de selecionar continuou durante toda a compilação, a produção literária e a publicação dos evangelhos, e da Bíblia.
Até mesmo vários séculos depois que os textos sagrados originais foram escritos, um concílio determinava mais uma vez que doutrinas e verdades deviam ser incluídas na Bíblia então oficial - e quais seriam "prejudiciais" ou "prematuras" para se revelar às massas.

Não existe coisa alguma em seu mundo que não tenha primeiro existido como puro pensamento. Isso também é verdadeiro no que diz respeito ao universo.
O pensamento é o primeiro passo da criação. Depois vem a palavra. Tudo que você diz é um pensamento que foi manifestado. É criativo e espalha energia criativa no universo. As palavras são mais dinâmicas (alguns poderiam dizer mais criativas) do que o pensamento, porque são um nível de vibração diferente do pensamento. Atingem (mudam e afetam) o universo com um maior impacto.
As palavras são o segundo passo da criação. O terceiro é a ação.
Ações são palavras em movimento. Palavras são pensamentos manifestados.
Pensamentos são idéias formadas. Idéias são energias reunidas. Energias são forças liberadas. Forças são elementos existentes. Elementos são partículas de Deus, a essência de Tudo.
O começo é Deus. O fim é a ação. Ação é Deus criando - ou Deus experimentado.

Você já se deu conta de quantas pessoas esperam o quarto ficar vazio para morrer? Algumas até mesmo têm de dizer a seus entes queridos: "Agora pode ir. Vá comer alguma coisa." Ou: "Vá dormir um pouco. Estou bem. Eu o verei de manhã." E então, quando o fiel guardião deixa o quarto, a alma deixa o corpo dó doente. Se essas pessoas dissessem a seus parentes e amigos reunidos:
"Eu só quero morrer", estes responderiam: "Ah, você não quer realmente dizer isso", "pare de falar assim", "aguente firme" ou "por favor, não me deixe".
Todos os profissionais da área de saúde são treinados para manter as pessoas vivas, em vez de confortáveis para morrerem com dignidade.
Para um médico ou uma enfermeira, a morte é um fracasso. Para um amigo ou parente, é um desastre. Apenas para a alma é um alívio, uma libertação.
Sua maior dádiva para os moribundos é deixá-los morrer em paz, não achar que eles devem "aguentar firme", continuar a sofrer ou preocupar-se com você nessa passagem tão crucial em suas vidas. O que acontece com muita frequência no caso do homem que diz e acredita que vai viver- e até mesmo reza para isso - é que, no nível da alma, ele "muda de idéia". Então é hora de deixar o corpo para que a alma fique livre para realizar outras atividades.

Durante toda a sua existência você acha que é o seu corpo. Parte do tempo acha que é a  sua mente. É na hora da morte que você descobre Quem Realmente É.

Frequentemente acontece que a alma toma a decisão de que é hora de deixar o corpo. O corpo e a mente, sempre seus servos, ouvem-na e começa o processo de libertação. Contudo, a mente (o ego) não deseja aceitá-la. Afinal de contas, esse é o fim de sua existência. Então instrui o corpo para resistir à morte, o que o corpo faz com prazer, porque não deseja morrer. O corpo e a mente (o ego) recebem muito incentivo, muitos elogios do mundo exterior, o mundo de sua criação, pelo fato de resistir. Assim, a estratégia é legitimada.
Nesse ponto, tudo depende do quanto a alma deseja partir. Se não houver grande urgência aqui, a alma poderá dizer: "Está bem, você venceu. Ficarei durante mais algum tempo." Mas se estiver muito claro para a alma que ficar não servirá aos seus objetivos mais elevados, que não há mais como evoluir através do corpo, ela o deixará, e nada irá impedi-Ia - ou deverá tentar impedi-Ia.

Está muito claro para a alma que o seu único objetivo é a evolução.
Não está preocupada com os feitos do corpo, ou o desenvolvimento da mente. Nada disso faz sentido para ela. Também está claro para a alma que deixar o corpo não é uma grande tragédia. De muitos modos, a tragédia é permanecer nele. Então você tem de compreender que a alma vê a morte de uma maneira diferente. É claro que também vê a vida de uma maneira diferente, e esta é a fonte de grande parte da frustração e ansiedade que as pessoas sentem na vida. A frustração e a ansiedade surgem quando elas não ouvem as suas almas.

Você tirou de algum lugar a idéia de que negar-se a felicidade e não celebrar a vida é devoção a Deus. Diz a si mesmo que a negação é uma virtude.

Não é bom nem mau, é simplesmente negação. Se você se sente bem depois de negara si mesmo, então em seu mundo isso é bom - se você se sente mal, então é mau. Na maioria das vezes, você não consegue chegar a uma conclusão. Nega-se alguma coisa porque diz a si mesmo que deve negá-la. Então diz que foi bom tê-la negado, mas não sabe porque não se sente bem.
Por esse motivo, a primeira atitude é parar de julgar a si mesmo. Descubra qual é o desejo de sua alma e realize-o. Faça o que a sua alma quer.
O que a alma busca é o sentimento mais nobre de amor que você possa imaginar. Esse é o seu desejo, o seu objetivo. A alma busca o sentimento. Não o conhecimento, que ela já tem, mas o conhecimento é conceitual. O sentimento é empírico. A alma quer sentir a si mesma, e portanto conhecer-se em sua própria experiência. O sentimento mais nobre é a experiência de união com Tudo Que É. É o sentimento do amor perfeito.

Para a alma experimentar a sua grandeza, deve saber o que é grandeza. Não pode saber o que é se só há grandeza. E então a alma percebe que a grandeza existe apenas no espaço do que não é grandioso. Por isso, nunca condena o que não é grandioso, mas o bendiz - vendo nisso uma parte de si mesma que deve existir para que outra parte possa manifestar-se.

Essa é uma tarefa difícil, que se prolonga por muitas vidas, porque você tende a julgar, a considerar uma atitude "certa" ou "errada", ou "insuficiente", em vez de bendizer o que não escolhe. Você faz pior do que condenar - tenta destruir o que não escolhe. Se há uma pessoa ou uma situação com que não concorda, você a critica. Se há uma religião que vai contra a sua, considera-a errada. Se há um pensamento que contradiz o seu, ridiculariza-o. Se há uma idéia diferente da sua, rejeita-a. Você comete um erro, porque cria apenas metade de um universo. E não consegue ao menos entender a sua metade quando rejeita imediatamente a outra.

A purificação é o processo de aceitar tudo, e depois escolher o melhor. Você compreende isso? Não pode escolher ser Deus se não há outra opção para escolher.

É claro que você está tentando ser Deus! Acha que estava destinado a ser menos?
Eu não sei. Não tenho certeza. Acho que nunca pensei dessa forma. Isso parece ser uma blasfêmia.
O curioso é que você não considera uma blasfêmia tentar ser como o demônio...
Espere um minuto! Quem está tentando ser como o demônio?
Você está! Todos vocês estão! Até mesmo criaram religiões que lhes dizem que nasceram com pecado - que são pecadores desde o nascimento - para convencê-los de sua própria perversidade. Porém, se Eu lhes digo que nasceram de Deus - que desde o nascimento são deuses e deusas, amor puro, vocês não acreditam.
Vocês passaram todas as suas vidas se convencendo de que são maus. Não só são maus, como os seus desejos são nocivos - sexo, dinheiro, poder, ter muito de qualquer coisa. Algumas de suas religiões até mesmo os fazem acreditar que a dança, a música e a celebração da vida são nocivas. Logo vocês concordarão em que rir e amar é nocivo.

A vida é uma criação, não uma descoberta. Você não vive cada dia para descobrir o que ele lhe trará, mas sim para criá-Io. Cria a sua realidade a cada minuto, provavelmente sem saber.

Use a grande afirmação que faz surgir o poder criativo: Eu sou. Diga isso para as outras pessoas. "Eu sou" é a afirmação criativa mais forte do universo. Tudo que você pensa ou diz depois das palavras "Eu sou" o faz ter essas experiências. Não há outro modo do universo saber como funcionar. Não conhece outro caminho a seguir. O universo reage a "Eu sou" como o faria um gênio em uma lâmpada mágica.

Não existe isso de "ir para o céu". Só existe um conhecimento de que você já está lá. Existe uma aceitação, uma compreensão, não esforço para ir para o céu.
Você não pode ir para onde já está. Para fazer isso, teria de sair de onde está, o que iria contra todo o objetivo da jornada. A ironia é que a maioria das pessoas pensa que tem de sair de onde está para chegar onde quer. E então essas pessoas saem do céu para ir para o céu - e passam pelo inferno. A iluminação é o conhecimento de que não há para onde ir, nada a fazer e ninguém em quem se transformar, exceto exatamente quem é neste momento. Sua jornada não leva a parte alguma. O céu - como você o chama - não está em outro lugar. Está aqui... agora.

Eu lhe digo que todas as experiências que você tem Eu tenho. Não percebe que estou experimentando o meu Eu através de você? Para que mais serviria tudo isso? Se não fosse por você, Eu não poderia conhecer a Mim Mesmo.
Eu o criei para poder saber Quem Eu Sou.

Um verdadeiro Mestre não "renuncia" a algo. Simplesmente o põe de lado, como faria com qualquer objeto que não lhe fosse mais útil. Há pessoas que dizem que você deve dominar os seus desejos. Eu digo que deve apenas mudá-los. Na primeira vez isso parece ser uma disciplina rigorosa; na segunda, um exercício agradável. Há pessoas que dizem que para conhecer Deus você deve resistir a todas as paixões terrenas. Contudo, compreendê-las e aceita-las é o suficiente. Aquilo a que você resiste perdura.

Viver sem expectativas - sem necessidade de resultados específicos - é liberdade,
santidade. É como Eu vivo.
O Senhor não se preocupa com os resultados?
Absolutamente não. Eu me alegro com o que crio, não com os resultados. A renúncia não é uma decisão de negar a ação, mas sim de negar a necessidade de um determinado resultado. Há uma grande diferença.

Um Mestre não fala sobre o sofrimento simplesmente porque entende com clareza o poder da Palavra - e então escolhe não dizer uma só palavra sobre isso.
Nós tornamos real aquilo a que prestamos atenção. O Mestre tem conhecimento desse fato, e escolhe o que deseja tornar real.

Um dia, se você tiver muita coragem, experimentará um mundo em que fazer amor será considerado melhor do que fazer guerra. Nesse dia, você se rejubilará.

Minha recompensa - o pagamento que você recebe quando "trabalha" para mim – fornece muito mais do que conforto espiritual. Você também pode ter conforto material. No entanto, a parte irônica de tudo isso é que, quando você experimenta o tipo de conforto espiritual que o Meu pagamento proporciona, a última coisa com que se preocupará é o conforto material. Você não se preocupará mais nem mesmo com o conforto material dos membros da sua família; porque quando atingir um nível de consciência de Deus compreenderá que não é responsável por nenhuma outra alma humana, e que embora seja louvável desejar que todas as almas vivam confortavelmente, cada uma delas deve escolher, está escolhendo, o seu próprio destino neste momento. É claro que não é um ato nobre maltratar ou destruir deliberadamente outra pessoa, é igualmente inadequado ignorar as necessidades daqueles que tornou dependentes de você. Seu trabalho é torná-los independentes; ensinar-lhes o mais rapidamente e o melhor possível como passarem sem você. Porque você não é uma bênção para eles enquanto é necessário para a sua sobrevivência, mas os abençoa verdadeiramente apenas no momento em que percebem que é desnecessário. Do mesmo modo, o melhor momento para Deus é aquele em que você percebe que não precisa de um Deus.
Eu, Eu sei... isso é o oposto de tudo que já lhe ensinaram. Contudo, seus mestres lhe falaram sobre um Deus rancoroso e ciumento, que precisa se sentir  necessário. E esse não é de modo algum um Deus, mas um substituto neurótico para o que seria uma divindade. O verdadeiro Mestre não é aquele que tem mais discípulos, mas aquele que forma mais Mestres. O verdadeiro líder não é aquele que tem mais seguidores, mas aquele que forma mais líderes. O verdadeiro rei não é aquele que tem mais súditos, mas aquele que confere dignidade real a mais pessoas. O verdadeiro professor não é aquele que tem mais conhecimento, mas aquele que o transmite a mais alunos.
E o verdadeiro Deus não é Aquele que tem mais servos, mas Aquele que serve mais, tornando assim deuses todas as outras pessoas.
Porque o objetivo e a glória de Deus é que os seus servos não sejam mais servos, e que todos saibam que Ele não é inatingível, mas inevitável.

Então agora, como pai, marido e ente querido, tente não tornar o seu amor uma cola que gruda, mas um ímã que a princípio atrai, depois vira ao contrário e repele, para que  aqueles que são atraídos não comecem a achar que precisam grudar em você para sobreviver. Nada poderia estar mais longe da verdade. Nada poderia ser mais prejudicial para eles. Deixe o seu amor impulsionar os seus entes queridos para o mundo - e para a experiência completa de quem eles são. Dessa forma, você realmente os amará.

Eu lhe digo que o céu e a Terra se extinguirão, mas você não se extinguirá. Essa perspectiva de eternidade o ajuda a ver as coisas com bastante lucidez. Você pode definir essas condições e circunstâncias atuais como realmente são:  temporais e transitórias. Pode então usá-las como meios - porque é isso que são, meios temporais e transitórios - na criação da experiência atual.

Eu lhe desejo o que você deseja. Nada mais nada menos do que isso. Não me sento aqui e julgo um a um os seus pedidos, para decidir se devem ser atendidos.
Minha lei é de causa e efeito, não de Veremos. Você pode ter tudo que escolher.

Agora você se vê como uma vítima do situação de perder o seu emprego. Contudo, a verdade é que não mais escolheu esse emprego. Parou de acordar de manhã antegozando o dia, e começou o acordar com medo. Parou de se sentir feliz com o seu trabalho, e começou a não gostar do que fazia. Até mesmo começou o fantasiar que tinha outro atividade. Você acha que isso não significa nada? Não entende bem o seu poder. Eu lhe digo que a sua vida resulta dos suas intenções em relação o ela. E qual é a sua intenção agora? Pretende provar a sua teoria de que a vida raramente lhe dá o que quer? Ou pretende mostrar Quem Você Realmente É e Quem Eu Sou?
Eu me sinto envergonhado. Constrangido.
De que adianta isso? Por que simplesmente não reconhece a verdade quando a ouve, e a aceita? Não há necessidade de recriminar-se. Apenas observe o que tem escolhido e escolha novamente.

Disseram-lhe para sentir-se culpado por atitudes que fez antes mesmo de poder fazer algo. Ensinaram-lhe que devia envergonhar-se por não ter nascido perfeito.
Esse suposto estado de imperfeição em que é dito que você veio ao mundo é o que a sua religião tem o desplante de chamar de pecado original. E é pecado original, mas não seu. É o primeiro pecado cometido contra você por um mundo que não sabe coisa alguma sobre Deus se acha que Ele iria, ou poderia, criar algo imperfeito. Algumas de suas religiões criaram teologias em torno dessa  interpretação errônea. E trata-se literalmente disso: uma interpretação errônea. Porque tudo que Eu concebo - tudo a que dou vida - é perfeito; um reflexo perfeito da própria perfeição, criada à Minha imagem e semelhança. Contudo, para justificar a idéia de um Deus punitivo, suas religiões precisaram criar algo que Me irritasse, a fim de que até mesmo as pessoas que levam vidas exemplares tenham de ser salvas. Se elas não tiverem de ser salvas de si mesmas, terão de ser de sua própria imperfeição inata. Então essas religiões dizem que é melhor você tomar alguma providência a esse respeito - ou irá direto para o inferno. No final, isso pode não acalmar um Deus misterioso, vingativo e irascível, mas dá origem a religiões misteriosas, vingativas e irascíveis. Dessa forma, as religiões se perpetuam e o poder é concentrado nas mãos de poucos, em vez de nas mãos de muitos.

É apenas através dos seus relacionamentos com outras pessoas, lugares e eventos que você pode existir (como uma parte conhecível, algo identificável) no universo. Lembre-se de que na ausência de tudo o mais, você não é. É assim no mundo relativo, ao contrário de no mundo absoluto, onde Eu resido. Quando você entender claramente isso, louvará intuitivamente todas as experiências, todos os encontros humanos e especialmente todos os relacionamentos pessoais, porque os considerará construtivos, no sentido mais elevado. Verá que podem, devem e estão sendo usados (queira você ou não) para construir Quem Você Realmente É.

A maioria das pessoas forma relacionamentos de olho no que pode tirar deles, em vez de no que pode colocar neles. O objetivo de um relacionamento é decidir que parte de si mesmo você gostaria de "revelar", não que parte da outra pessoa pode possuir e dominar. Só pode haver um objetivo para os relacionamentos - e para toda a vida: ser e decidir Quem Você Realmente É. É muito romântico dizer que você não era "nada" até aquela pessoa especial aparecer, mas isso não é verdade. O pior é que coloca essa pessoa sob uma terrível pressão para ser todos os tipos de coisas que não é. Sem querer "desapontá-lo", ela tenta ser o que não é até não poder mais. Então deixa de corresponder à imagem que você tem dela. Não pode mais representar os papéis que lhe foram atribuídos. Surge o ressentimento, e a seguir vem a raiva. Finalmente, para salvar a si mesma (e o relacionamento), essa pessoa especial começa a tentar reaver o seu verdadeiro Eu, agindo mais de acordo com Quem Realmente É. Nesse momento, você diz que ela "mudou". É muito romântico afirmar que agora que essa pessoa especial entrou em sua vida você se sente completo. Contudo, o objetivo do relacionamento não é ter alguém que possa completá-lo, mas ter alguém com quem você possa partilhar a sua integralidade.

O teste dos seus relacionamentos teve a ver com o quanto a outra pessoa vivia bem de acordo com as suas idéias, e o quanto você vivia bem de acordo com as idéias dela. Mas o único teste verdadeiro tem a ver com o quanto você vive bem de acordo com as suas idéias.

Deixe cada pessoa no relacionamento se preocupar não com a outra, mas apenas  consigo mesma. Esse parece ser um ensinamento estranho, porque foi-lhe dito que na forma mais sublime de relacionamento, uma pessoa se preocupa apenas com a outra. Mas Eu lhe digo que seu enfoque na outra pessoa, sua obsessão por ela, é o que faz o relacionamento fracassar.

O Mestre compreende que não importa o que a outra pessoa está sendo, fazendo, tendo, dizendo, querendo, exigindo, pensando, esperando e planejando. Só importa o que você está sendo em relação a isso. A pessoa mais amorosa é aquela que é egocêntrica.
Esse é um ensinamento radical...
Não se você o observar cuidadosamente. Se você não puder amar a si mesmo, não poderá amar alguém. Muitas pessoas cometem o erro de tentar amar a si mesmas através do amor por alguém. É claro que elas não percebem que estão fazendo isso. Esse não é um esforço consciente. É o que acontece na mente. Nos recônditos da mente. No que você chama de subconsciente. Elas pensam: "Se eu puder apenas amar outras pessoas, elas me amarão. Então serei digno de amor, e poderei amar a mim mesmo.”.
Ocorre o oposto com muitas pessoas que se odeiam porque acham que ninguém as ama. Isso é uma doença - é quando as pessoas estão realmente "doentes de amor", porque a verdade é que elas de fato são amadas. Mas isso não importa. Não importa quantos digam que as amam, isso não basta.

Duas pessoas se unem em uma parceria esperando que o todo seja mais do que a soma das partes, apenas para descobrir que é menos. Elas se sentem menos do que quando eram solteiras. Menos capazes, menos excitantes, menos atraentes, menos alegres e menos satisfeitas. Isso é porque elas são menos. Deixaram de ser quase tudo que são para estar – e permanecer - no relacionamento. O objetivo dos relacionamentos nunca foi esse. Contudo, é assim que eles são experimentados por mais pessoas do que você poderia imaginar.

Portanto, não é um ensinamento tão radical dizer: "Benditos sejam os egocêntricos, porque eles conhecerão a Deus." Poderia não ser um objetivo tão ruim em sua vida conhecer a parte mais elevada do seu Eu, e permanecer centrado nela. Por isso, o seu primeiro relacionamento deve ser com o seu Eu. Antes de tudo, deve aprender a honrar e amar a si mesmo.

Vocês crucificaram (de um modo ou outro) todos os Meus mestres, não apenas Um. E o fizeram não porque eles eram mais santos do que vocês, mas porque imaginaram que eram. Todos os meus mestres transmitiram a mesma mensagem. Não "Eu sou mais santo do que vocês", mas "Vocês são tão santos quanto eu".
Essa foi a mensagem que vocês não conseguiram ouvir; a verdade que não conseguiram aceitar. E é por isso que nunca conseguem amar verdadeira e puramente uns aos outros. Nunca amaram verdadeiramente e puramente a si mesmos. E então Eu lhe digo isto: centre-se agora e sempre em seu Eu. Veja o que está sendo, fazendo e tendo em todos os momentos, não o que está acontecendo com as outras pessoas.
Não é na ação das outras pessoas, mas em sua "re-ação", que você encontrará a sua salvação.

O mistério é em parte esclarecido no momento em que você decide qual é o maior "bem" que pode fazer a si mesmo. E quando a melhor escolha é feita, o mistério desaparece, o círculo se completa e o maior bem para si mesmo torna-se o maior bem para a outra pessoa. Pode ser preciso muito tempo para entender essa verdade - e ainda mais para colocá-la em prática - porque ela está ligada a outra ainda maior: o que você faz por si mesmo, faz pela outra pessoa. O que faz por ela, faz por si mesmo. Isso ocorre porque vocês são um só.
E porque...
Não há nada além de Você.
Todos os Mestres que pisaram em seu planeta ensinaram isso. ("Em verdade Eu vos declaro: todas as vezes que fiz estes isto a um destes Meus irmãos mais pequeninos, foi a Mim mesmo que o fizestes.") Contudo, para a maioria das  pessoas isso continuou a ser apenas uma grande verdade esotérica, com pouca aplicação na prática. De fato, é a verdade "esotérica" mais aplicável na prática de todos os tempos. Nos relacionamentos, é importante lembrar dessa verdade, porque sem ela os relacionamentos serão muito difíceis.

Na verdade, o mal não existe, o que existe são apenas fenômenos objetivos e experiências. Contudo, o seu próprio objetivo na vida exige que você escolha de um conjunto infinito de fenômenos alguns que considera maus - porque se não o fizer, não poderá considerar a si mesmo ou a nada bom - e portanto não poderá conhecer, ou criar, o seu Eu. Você se define através do que considera mau, e bom. Portanto, o maior mal seria não considerar nada mau. Nessa vida, você existe no mundo relativo, onde uma coisa só pode existir na medida em que se relaciona com outra. É ao mesmo tempo a função e o objetivo do relacionamento fornecer um campo de experiência dentro do qual você se encontra, se define e - se escolher - constantemente recria Quem É.

Você faz parecer que manter um relacionamento significa que foi bem-sucedido. Não confunda longevidade com um trabalho bem-feito. Lembre-se de que o seu trabalho no planeta não é verificar quanto tempo pode permanecer em um relacionamento, mas decidir e experimentar Quem Realmente É.
Isso não é uma defesa dos relacionamentos de curta duração, e tampouco há uma
exigência de que os relacionamentos sejam de longa duração.
Embora não haja essa exigência, os de longa duração realmente proporcionam ótimas oportunidades de crescimento mútuo, de expressão e satisfação mútuas - o que é gratificante.

Como Eu mencionei antes, a maioria das pessoas entra nos relacionamentos pelos motivos "errados" - para pôr fim à solidão, preencher um vazio, ser amadas ou ter alguém para amar - e esses são alguns dos melhores motivos. Outras o fazem para massagear o ego, acabar com a depressão, melhorar a vida sexual, recuperar-se de um relacionamento anterior ou, acredite ou não, para livrar-se do tédio. Nenhum desses motivos trará bons resultados, e a menos que algo mude totalmente ao longo do caminho, o relacionamento também não dará certo.

Eu não entrei em meus relacionamentos por nenhum desses motivos.
Eu não afirmaria isso. Não creio que você saiba porque entrou em seus relacionamentos. Não creio que tenha pensado sobre este assunto dessa forma. Acho que você não entrou em seus relacionamentos com um propósito, mas porque "apaixonou-se".
É isso mesmo.
E Eu não creio que você tenha parado para pensar em por que "apaixonou-se". A que estava reagindo? Que necessidades estavam sendo satisfeitas? Para a maioria das pessoas, o amor é uma reação a necessidades satisfeitas. Todos têm necessidades. Você precisa disto, e a outra pessoa daquilo. Ambos vêem um no outro uma chance de satisfazerem às suas. necessidades. Por esse motivo, fazem um acordo tácito. Eu lhe darei o que tenho se você me der o que tem. Isso é um negócio. Mas vocês não dizem: "Eu lhe pedirei muito." Dizem, "eu o(a) amo muito", e então começa o desapontamento.

Se você deseja garantias na vida, então não deseja a vida. Deseja repetir um roteiro que já foi escrito. Por natureza, a vida não pode ter garantias, porque isso iria contra todo o seu objetivo.

Mas lembre-se de que nada foi exatamente desagradável. Quero dizer, você adorou tudo! Todos os minutos! Ah, é deliciosa essa coisa a que chamam de vida! É uma experiência formidável, não é?
Bem, suponho que sim.
Você supõe? Como Eu poderia tê-la tornado mais formidável? Não está podendo
experimentar tudo? Lágrimas, alegria, sofrimento, tristeza, euforia, depressão profunda, perda, ganho, atração? O que mais poderia haver?
Talvez menos sofrimento.
Menos sofrimento sem mais sabedoria vai contra o seu objetivo; não lhe permite experimentar a alegria infinita - que é o que Eu Sou. Seja paciente. Você está adquirindo sabedoria. E agora as suas alegrias são cada vez mais possíveis sem sofrimento. Esse também é um ótimo sinal.

O pensamento errôneo é o sua idéia a respeito do dinheiro. Você o ama, e contudo diz que é a origem de todo o mal. Você o adora, e contudo o chama de "vil metal". Diz que uma pessoa é "podre de rica". E se uma pessoa realmente enriquece fazendo coisas "boas", imediatamente suspeita dela. Torna isso "errado".

Os termos "certo" e "errado" são relativos, e quando Eu os utilizo é dessa forma. Neste caso, relativos ao que lhe serve - ao que você diz que deseja - seus pensamentos em relação ao dinheiro são errados.
Lembre-se de que os pensamentos são criativos. Então se você pensar que o dinheiro é ruim e que você é bom... bem, pode perceber o conflito.

Para a maioria das pessoas, o conflito não é tão grande. Elas ganham a vida fazendo serviços que detestam, então não se importam de receber dinheiro por isso. Receber o que é "mau" em troca do que é "mau". Mas você adora o que faz com os dias e momentos de sua vida. Adora as atividades com que os preenche.
Portanto, para você, receber grandes somas pelo que faz seria, em seu sistema de
pensamento, receber o que é "mau" em troca do que é "bom" e considera isso inaceitável. Prefere morrer de fome a aceitar o "vil metal" pelo serviço puro... como se de algum modo esse serviço perdesse a sua pureza se aceitasse dinheiro para realizá-lo. Então aqui nós temos essa ambivalência no que diz respeito ao dinheiro. Parte de você o rejeita, e parte se ressente por não tê-lo. O universo não sabe o que fazer em relação a isso, porque captou dois pensamentos diferentes. Por esse motivo, no tocante às finanças, a sua vida será confusa, porque você está confuso em relação ao dinheiro. Você não tem um enfoque claro; não sabe ao certo o que é verdade. E o universo é apenas uma grande máquina de fotocópias.
Simplesmente produz várias cópias de seus pensamentos. Agora só há uma forma de mudar tudo isso: mudar os seus pensamentos.

Você tem idéia de como a sua mente começou a pensar como agora pensa? Não sabe que o seu mundo a manipulou para pensar assim? Não seria melhor você, e não o mundo, manipulá-la? Não seria melhor para você ter os pensamentos que quiser, em vez dos alheios? Não está melhor armado com pensamentos criativos, em vez de reativos? Contudo, a sua mente está cheia de pensamentos reativos - que se originam de experiências de outras pessoas. Muitos poucos de seus pensamentos surgem de dados ou preferências que se originam de suas experiências.

A propósito, você tem mais uma idéia arraigada em relação ao dinheiro, que Eu ainda tenho de mencionar.
Qual é?
Que o dinheiro não é suficiente. De fato, você tem essa idéia em relação a tudo. O
dinheiro, o tempo, o amor, a comida, a água, a compaixão no mundo... não são suficientes. Tudo que é bom, simplesmente não é suficiente. Essa idéia de "insuficiência" cria e recria o mundo como você o vê.

Se você pensa que a sua vida se resume ao fazer, não tem consciência de quem é. Sua alma não se importa com o que você faz para ganhar a vida - e quando a sua vida terminar, você também não se importará com isso. Sua alma só se importa com o que você está sendo enquanto está em atividade. A alma procura um estado de existência, não de ação.

No exemplo dos dois profissionais igualmente qualificados, apenas um deles é bem-sucedido, não devido a algo que um dos dois está fazendo, mas ao que ambos estão fazendo. Um deles está sendo aberto, amistoso, dedicado, atencioso e até mesmo alegre em seu trabalho, enquanto o outro está sendo fechado, descuidado, desatencioso, mal-humorado e até mesmo detestando o que está fazendo.

Mas esse Eu que a alma está procurando ser é muito complexo, multidimensional, multidimensional, multifacetado. Há milhões de aspectos em Mim. Bilhões. Trilhões. Você entende? Há o irreverente e o reverente, o menor e o maior, o profano e o sagrado, o impiedoso e o piedoso. Entende?
Sim, eu entendo... e em cima e embaixo, esquerda e direita, aqui e lá, antes e depois, bom e mau...
Exatamente. Eu sou o Princípio e o Fim. Isso não foi apenas uma bela afirmação, ou uma
idéia inteligente. Foi a Verdade expressada.

Portanto, procurando ser Eu, a alma tem um grande trabalho à sua frente; um enorme menu de existência para escolher. E é isso que está fazendo neste momento.
Escolhendo estados de existência.
Sim, e então produzindo condições perfeitas nas quais criar essa experiência. Portanto, é verdade que nada acontece a você - ou através de você - que não é para o seu próprio e maior bem.

A função da alma é indicar o seu desejo, não impô-lo. A função da mente é escolher entre as suas alternativas. A função do corpo é agir de acordo com essa escolha. Quando o corpo, a mente e a alma criam juntos, em harmonia e união, Deus se faz carne. Então a alma se conhece experimentalmente. E Deus se regozija.

De certos estados de existência surgirá uma vida tão rica, satisfatória, maravilhosa e gratificante que você não se preocupará mais com os bens materiais e o sucesso terreno. A ironia da vida é que logo que você deixa de preocupar-se com os bens materiais e o sucesso terreno o caminho é aberto para obtê-los.

Você não pode ter o que quer. Como Eu já disse, o próprio ato de querer alguma coisa a afasta de você.

Porque o universo não tem outra escolha além de proporcionar-lhes a  manifestação direta de seu pensamento em relação a isso. Seu pensamento é: "Eu quero sucesso terreno." O poder criativo é como um gênio em uma lâmpada mágica. Suas palavras são a sua ordem. Está entendendo?

Pense nisso desta forma: a palavra "Eu" é a chave que liga a máquina da criação. As palavras "Eu sou" são extremamente poderosas. São afirmações para o universo. Ordens. Tudo que se segue à palavra "Eu" (que faz aparecer o Grande Eu Sou) tende a se manifestar na realidade física. Por isso, "Eu" + "quero sucesso" produz você querer sucesso. "Eu" + "quero dinheiro" produz você querer dinheiro. Não pode produzir outra coisa, porque os pensamentos e as palavras são criativos. Os atos também. E se você agir de um modo que afirma que quer sucesso e dinheiro, então seus pensamentos, suas palavras e seus atos estarão de acordo, e você certamente terá essa experiência.

Para mudar a sua realidade, simplesmente pare de pensar assim. Nesse caso, em vez de pensar "Eu quero sucesso", pense "Eu tenho sucesso".
Isso soa como uma mentira para mim. Eu estaria enganando a mim mesmo se dissesse essas palavras. Minha mente gritaria, "vá mentir assim no quinto dos infernos!"
Então pense algo que pode aceitar. "O sucesso está chegando para mim agora", ou "tudo leva ao meu sucesso".
Então esse é o truque por trás da prática das afirmações da Nova Era? .
As afirmações não funcionam se forem meramente afirmações do que você quer que seja verdade. Só funcionam quando são afirmações de algo que já sabe que é verdade. A melhor afirmação é a de gratidão e reconhecimento. "Obrigado, Deus, por fazer com que eu tenha sucesso na vida." As idéias e os pensamentos que se traduzem em palavras e atos produzem ótimos resultados - quando se originam do verdadeiro conhecimento; não de uma tentativa de produzir resultados, mas de uma consciência de que os resultados já foram produzidos. Jesus sabia disso. Antes de cada milagre, Ele agradecia a Mim por ele. Nunca Lhe ocorreu não agradecer, porque nunca Lhe ocorreu que o que Ele afirmava não iria acontecer. Essa idéia nunca passou pela Sua mente. Ele tinha tanta certeza de Quem Era e de Seu relacionamento Comigo que todos os Seus pensamentos, todas as Suas palavras e todos os Seus atos a refletiam, como os seus pensamentos, as suas palavras e os seus atos refletem a sua certeza...

Se neste momento houver algum desejo que você quer experimentar em sua vida, não o "deseje" - escolha-o. Você escolhe sucesso em termos terrenos? Escolhe mais dinheiro? Ótimo. Então escolha isso. Realmente. Não sem entusiasmo.

Na verdade você é uma só energia, com três características distintas. Quando você decide habitar um novo corpo físico na Terra, seu corpo etéreo (como alguns o chamam) diminui o ritmo das suas vibrações - deixa de produzir vibrações tão rápidas que não podem ser vistas, e as produz com uma velocidade que gera  massa e matéria. Essa matéria é a criação do puro pensamento - o trabalho da sua mente, o aspecto mental mais sublime de seu ser formado por três partes.
Essa matéria é uma solidificação de trilhões de unidades de energia diferentes em uma enorme massa, controlável pela mente... você é realmente um mestre da mente!

Quando essas pequenas unidades consomem a sua energia, são descartadas pelo corpo, enquanto a mente cria novas. A mente cria através de seu pensamento contínuo a respeito de Quem Você É! O corpo etéreo por assim dizer "capta" o pensamento, e diminui a vibração de mais unidades de energia (em certo sentido as "cristaliza"), e elas se tornam matéria, a sua nova matéria. Desse modo, todas as células de seu corpo mudam ao longo dos anos. literalmente, você não é a mesma pessoa que era há alguns anos. Se você ficar pensando em doenças (ou sentir constantemente raiva, ou for negativista), seu corpo dará a esses pensamentos uma forma física.

Posso lhe fazer algumas perguntas a esse respeito? Como por exemplo, quando o Senhor diz que a mente me acompanha após a morte, isso significa que a minha "personalidade" me acompanha? Após a morte eu saberei quem era?
Sim... e quem sempre foi. Tudo ficará claro para você - porque então será bom saber.Neste momento, não é.
E no que diz respeito a esta vida, haverá um retrospecto, um acerto de contas?
Não há julgamento no que você chama de vida após a morte. Não lhe será nem mesmo permitido julgar a si mesmo (porque você certamente seria muito rigoroso, visto que é muito crítico e implacável consigo mesmo em sua vida atual). Não, não há um acerto de contas, "polegares para cima ou para baixo". Apenas os humanos são julgadores, e porque são presumem que Eu devo ser. Contudo, não sou - e esta é uma grande verdade que vocês não conseguem aceitar. Mas embora não vá haver julgamento após a morte, haverá a oportunidade de rever tudo que você pensou, disse e fez na Terra, e de decidir se é isso que escolheria de novo, baseado em Quem Você Diz Que É, e Quem Deseja Ser.

Basta dizer que você terá a oportunidade de rever a sua vida atual, sem aflição, medo ou julgamento, com o objetivo de decidir como se sente em relação à sua experiência, e para onde deseja ir a partir daí. Muitos de vocês decidirão voltar a esse mundo de densidade e relatividade para ter outra chance de experimentar as decisões que tomam e as escolhas que fazem em relação ao seu Eu nesse nível.
Outros, um grupo seleto, voltarão com uma missão diferente: cumprir o objetivo da alma de trazer à luz outras pessoas na densidade e na matéria. Sempre há na Terra aqueles entre vocês que fizeram essa escolha. Você pode reconhecê-los imediatamente. Seu trabalho terminou. Eles voltaram à Terra apenas para ajudar os outros. Essa é a sua alegria, a sua glorificação. Eles só querem ser úteis.
Você não pode deixar de ver essas pessoas. Estão em toda parte. Há mais delas do que você imagina. As chances são de que conheça alguma, ou tenha ouvido falar de alguma.

Vá em frente e faça o que realmente adora fazer! Não faça outra coisa! Você tem muito pouco tempo. Como pode pensar em desperdiçar um minuto fazendo o que não gosta para ganhar a vida? Que tipo de vida é essa? Não é uma vida, é a morte! Se você disser, "mas, mas... há outras pessoas que dependem de mim... pequenas bocas para alimentar... uma esposa que está me observando..." Eu responderei: Se você insiste em que a sua vida é o que o seu corpo está fazendo, não entende porque foi para o seu planeta.  Pelo menos faça algo que o agrade, e mostre Quem Você É. Então pelo menos pode parar de ressentir-se e ter raiva daqueles que imagina que estão sendo um obstáculo à sua felicidade.

Você tem direito à felicidade - com ou sem filhos, com ou sem esposa. Procure-a!
Encontre-a! E terá uma família feliz, não importa quanto dinheiro ganhe ou deixe de ganhar. E se eles não forem felizes o deixarão, por isso libere-os com amor para procurar a felicidade deles. Se, por outro lado, você tiver evoluído até o ponto em que os assuntos do corpo não mais o preocupam, então está ainda mais livre para procurar a sua felicidade, assim na Terra como no Céu. Deus diz que é bom ser feliz, sim, até mesmo em seu trabalho. Sua vida profissional é uma afirmação de Quem Você É. Se não for, então por que está fazendo o que faz?
Imagina que tem de fazer? Você não tem de fazer coisa alguma. Se "o homem que sustenta a sua família a todo custo, até mesmo de sua própria felicidade" é Quem Você É, então ame o seu trabalho, porque está facilitando a criação de  uma afirmação realista do seu Eu. Se "a mulher que tem um emprego que detesta para cumprir o que considera suas responsabilidades" é Quem Você é, então ame o seu trabalho porque confirma a sua autoimagem, o conceito do seu Eu.
Todos podem amar tudo quando compreendem o que estão fazendo, e por quê.

Como posso resolver alguns dos meus problemas de saúde? Fui vítima de problemas crônicos suficientes para três vidas. Por que estou tendo todos estes agora - nesta vida?
Primeiro, vamos deixar um fato bem claro. Você os adora. Pelo menos, adora a maioria deles. Você os tem usado muito bem para sentir pena de si mesmo e atrair atenções. Nas poucas ocasiões em que não os adorou, foi apenas porque foram longe demais. Mais longe do que imaginou quando os criou. Agora vamos  entender o que provavelmente já sabe: todas as doenças são criadas por você mesmo. Até mesmo os médicos convencionais estão agora percebendo como as pessoas tornam-se doentes. A maioria das pessoas o faz bastante inconscientemente. (Não sabe o que está fazendo.) Então quando essas pessoas adoecem, não sabem o que houve. É como se algo lhes tivesse sucedido, em vez de terem feito algo consigo mesmas.

As pessoas fumam e se perguntam por que sofrem de câncer. Ingerem carnes de animais e gordura e se perguntam por que suas artérias ficam bloqueadas. Sentem raiva durante todas as suas vidas e se perguntam por que têm ataques do coração. Competem umas com as outras - impiedosamente e sob incrível tensão - e se perguntam por que sofrem derrame cerebral. A verdade não tão óbvia é que a maioria das pessoas se preocupa até morrer. A preocupação é a pior forma de atividade mental que existe depois da raiva, que é muito autodestrutiva. A preocupação é inútil. É energia mental desperdiçada. Também cria reações bioquímicas que prejudicam o corpo, provocando desde indigestão a parada cardíaca, além de muitas outras consequências. A saúde melhorará quase imediatamente quando a preocupação acabar. A preocupação é a atividade da mente que não entende a sua ligação Comigo. O ódio é a condição mental mais nociva. Envenena o corpo, e seus efeitos são praticamente irreversíveis. O medo é o oposto de tudo que você é, e por isso tem um efeito de oposição à sua saúde mental e física. O medo é preocupação exagerada.
Preocupação, ódio, medo, junto com as suas ramificações: ansiedade, amargura,
impaciência, avareza, crueldade, espírito crítico e condenação - atacam o corpo no nível celular. É impossível ter um corpo saudável nessas condições.
De igual modo, embora em um grau um pouco menor, vaidade, comodismo e  ganância levam a doença física, ou falta de bem-estar.
Todas as doenças são criadas primeiro na mente.

Como pode ser isso? E as doenças contraídas de outra pessoa, como os resfriados ou a AIDS?
Nada ocorre em sua vida - nada - que não é primeiro um pensamento. Os pensamentos são como ímãs, que atraem os efeitos para você. O pensamento pode não ser sempre óbvio, e portanto claramente causativo, como em, "vou  contrair uma doença terrível". Pode ser (e geralmente é) muito mais sutil do que isso. ("Não mereço viver.") ("Minha vida é sempre conturbada.") ("Sou um perdedor.") ("Deus vai me castigar.") ("Estou doente e cansado da vida!")
Os pensamentos são uma forma de energia muito sutil, e no entanto extremamente poderosa. As palavras são menos sutis, menos densas. Os atos são mais densos do que ambos. Ato é energia em densa forma física, em pesado movimento. Quando você pensa, diz e age de acordo com um conceito negativo como "Sou um perdedor", coloca em movimento uma enorme energia criativa. Não admira que pegue um resfriado. Isso é o mínimo que poderia ocorrer.

É muito difícil reverter os efeitos do pensamento negativo depois que assumem uma forma física. Não é impossível, mas é muito difícil. Exige um ato de fé extrema, uma fé extraordinária na força positiva do universo, quer você a chama de Deus, Deusa, Força Primária, Causa Primeira ou o que quer que seja.
Os curandeiros têm essa fé. É uma fé que se transforma em Conhecimento Absoluto. Eles sabem que você deve ser inteiro, completo e perfeito no momento atual. Esse conhecimento também é um pensamento - muito poderoso. Tem o poder de mover montanhas _ para não falar nas moléculas do seu corpo. É por esse motivo que os curandeiros podem curar, frequentemente até mesmo a distância.
O pensamento não conhece distâncias. Viaja pelo mundo e percorre o universo mais rápido do que você pode dizer a palavra. "Dizei uma só palavra e meu servo será curado." E foi assim naquela mesma hora, antes mesmo de sua frase ser terminada. Tamanha era a fé do centurião.

Sim, pode curar algumas das doenças que adquiriu (causou a si mesmo), assim como evitar o aparecimento de outras. E pode fazê-lo mudando o seu pensamento.
Também - e Eu não gosto de sugerir isso porque parece muito mundano vindo de Deus, mas - pelo amor de Deus, cuide-se melhor! Você não cuida do seu corpo, não lhe dá atenção até suspeitar que há algo de errado. Praticamente não faz check-up algum em termos de prevenção. Cuida melhor do seu carro do que do seu corpo, e isso não é dizer muito.

Você não o exercita, por isso fica flácido, e pior ainda, fraco. Você não o alimenta adequadamente, enfraquecendo-o ainda mais. Depois o enche de toxinas e venenos e das substâncias mais absurdas consideradas alimento. E ainda assim essa máquina maravilhosa corre para você, segue em frente bravamente apesar dessa agressão. As condições sob as quais você pede ao seu corpo para sobreviver são horríveis, mas faz pouco ou nada em relação a elas. Você lerá isto, fará um gesto com a cabeça para indicar que concorda com o que Eu digo e está arrependido e voltará a fazer tudo isso de novo. E sabe por quê?
Tenho medo de perguntar.
Porque não tem vontade de viver.
Isso parece ser uma acusação dura.

Eu fiz uma simples afirmação da verdade. Como todas as afirmações da verdade, tem a capacidade de despertá-lo. Algumas pessoas não gostam de ser despertas. A maioria não gosta, prefere permanecer adormecida. O mundo se encontra nas condições atuais porque está cheio de sonâmbulos. No que diz respeito à minha afirmação, o que parece falso? Você não tem vontade de viver. Pelo menos, não teve até agora. Se você me disser que" acabou de sofrer uma transformação", Eu reavaliarei a minha previsão do que fará agora. Reconheço que essa previsão se baseia na experiência passada.
...também foi Minha intenção fazê-lo despertar. Às vezes, quando uma pessoa está profundamente adormecida, é preciso sacudi-la um pouco.

Nunca lhes ocorre (isso só ocorre às mentes mais aguçadas) que as coisas podem ser ao mesmo tempo certas e erradas; que apenas no mundo relativo elas são certas ou erradas. No mundo do absoluto, em que o tempo não existe, todas as coisas são tudo. Não há homem e mulher, antes e depois, rápido e devagar, aqui e lá, em cima e embaixo, esquerda e direita - e certo e errado. Seus astronautas tiveram uma noção disso. Eles imaginaram que subiriam para o espaço cósmico apenas para descobrir quando chegaram lá que estavam olhando para cima, para a Terra. Ou não estavam? Talvez estivessem olhando para baixo, para a Terra! Mas então, onde estava o Sol? Em cima? Embaixo? Não! Ali, à esquerda! Então subitamente uma coisa não estava em cima ou embaixo - mas na lateral... e assim todas as definições desapareciam.
É assim em Meu mundo, nosso mundo, nossa esfera real. Todas as definições
desaparecem, tornando difícil até mesmo falar sobre essa esfera em termos definidos.
A religião é a sua tentativa de falar sobre o indizível. Não se sai muito bem nisso.
Não, Meu filho, os evolucionistas não estão certos. Eu criei tudo - tudo - no piscar de um olho; em um instante sagrado, como disseram os criacionistas. E... isso foi feito através de um processo de evolução que demorou bilhões e bilhões do que vocês chamam de anos, como dizem os evolucionistas.
Ambos estão "certos". Como os astronautas descobriram, tudo depende de como você vê. Mas a verdadeira pergunta é: um instante sagrado/bilhões de anos, qual é a diferença?
Você pode simplesmente concordar em que em algumas das questões da vida o mistério é grande demais para você resolver? E por que não permitir ao sagrado ser sagrado, e deixa-lo em paz?

Imagine, crie, experimente. O que você imagina cria, o que cria experimenta, o que
experimenta imagina. É por isso que é dito que se você puder fazer o seu corpo experimentar algo (como, por exemplo, a abundância), logo terá a sensação dela em sua alma, que a imaginará de um novo modo (a saber, abundante), dessa forma apresentando à sua mente um novo pensamento sobre isso. Do novo pensamento surge mais experiência, e o corpo começa a viver uma nova realidade como um modo de ser permanente.
Seu corpo, sua mente e sua alma (seu espírito) são um só. Nisso, você é um microcosmo de Mim - o Todo Divino, o Tudo Sagrado, a Essência. Agora você entende por que Eu sou o princípio e o fim de tudo, o Alfa e o Ômega.

Agora Eu lhe explicarei o maior mistério: seu relacionamento exato e verdadeiro Comigo. VOCÊ É O MEU CORPO.
Seu corpo está para sua mente e alma como você está para a Minha mente e alma. Portanto:
Tudo que Eu experimento é através de você.
Como seu corpo, sua mente e sua alma são um só, também o são Meu corpo, Minha mente e Minha alma. Tanto é assim que Jesus de Nazaré, entre os muitos que compreenderam esse mistério, disse a imutável verdade quando afirmou: "Eu e o Pai somos Um Só."

Está em uma dessas dimensões agora, que se chama, em sua interpretação, a terceira dimensão.
E há muitas mais?
Eu não lhe disse que em Meu Reino há muitas moradas? Não teria dito isso se não houvesse.

A reencarnação existe?
É difícil acreditar que ainda há uma dúvida em relação a isso. Acho difícil imaginar. Tem havido tantos relatos de fontes confiáveis de experiências passadas! Algumas dessas pessoas fizeram descrições muito detalhadas de eventos, e apresentaram provas incontestáveis de que não haviam inventado tudo para enganar pesquisadores ou entes queridos.

Não, não existe o débito cármico - não no sentido a que você se refere nessa pergunta. Um débito é algo que deve ou deveria ser reparado. Você não é obrigado a fazer coisa alguma. Ainda assim, há certas coisas que deseja fazer; escolhe experimentar. E algumas dessas escolhas dependem do que experimentou antes - do desejo provocado pelo que já experimentou.
Isso é o mais próximo que as palavras podem chegar do que você chama de carma. Se o carma é o desejo inato de ser melhor, maior, evoluir, olhar para ocorrências e experiências passadas como um modo de avalia-las, então sim, o carma existe. Mas não exige coisa alguma. Nada jamais é exigido. Você é, como sempre foi, um ser com livre-arbítrio.

Você é médium. Todas as pessoas são médiuns. Não há uma só pessoa que não tenha o que você chama de habilidade psíquica, há apenas quem não sabe usá-la.
Usar a habilidade psíquica não é nada mais do que usar o sexto sentido. Obviamente, isso não é "fazer um pacto com o demônio", ou Eu não lhe teria dado esse sentido. E é claro que não há um demônio com o qual fazer um pacto.

É claro que o sexo é "permitido". Mais uma vez, se Eu não quisesse que você participasse de certos jogos, não teria lhe dado esses brinquedos. Você dá a seus filhos coisas com que não quer que eles brinquem? Brinque com o sexo! É uma ótima diversão! A melhor que você pode ter com o seu corpo, se está se referindo a experiências estritamente físicas. Mas por favor não destrua a inocência sexual, o prazer, a pureza e a alegria da diversão fazendo mau uso do sexo. Não o use para ter poder, ou com um objetivo oculto; para gratificação do ego ou domínio; com qualquer outro objetivo além da alegria mais pura e do maior êxtase - obtido e partilhado - que é o amor, e o amor recriado - que é a nova vida!
Eu não escolhi um modo delicioso de criar mais de vocês?

Quatro quintos da população mundial consideram a vida uma provação, um débito cármico que deve ser pago, uma escola com duras lições que devem ser  aprendidas e, em geral, uma experiência a ser suportada enquanto se espero pela verdadeira alegria, que vem após a morte. É uma vergonha que tantos de vocês pensem assim. Não admira que se envergonhem do próprio ato que cria a vida.
A energia que está por trás do sexo é a energia que está por trás da vida; que é a vida! A atração e o desejo profundo, e com frequência premente, de ir na direção um do outro, de tornar-se um só, é a dinâmica essencial de todas as vidas. Eu a coloquei em tudo. É inata, inerente, está dentro de Tudo Que Existe.

Ouça-Me na verdade da sua alma, nos sentimentos do seu coração, no silêncio da sua mente. Ouça-Me em toda a parte. Sempre que tiver uma pergunta, simplesmente saiba que Eu já a respondi. Então preste atenção ao seu mundo. Minha resposta pode estar em um artigo que já foi publicado. No sermão que já foi escrito e está prestes a ser dado. No filme que está sendo feito. Na canção composta ontem. Nas palavras ditas por um ente querido. No coração de uma pessoa com quem fará amizade.
Minha Verdade está no sussurro do vento, no murmúrio do riacho, no estrondo do trovão e no som da chuva.
É sentir a terra, o perfume do lírio, o calor do sol e a influência da lua.

Eu não o deixarei, não posso deixá-lo, porque você é a Minha criação e o Meu produto, Minha filha e Meu filho, Meu objetivo e Meu...
Eu.
Por isso, chame-Me sempre que estiver separado da paz que Eu sou.
Eu estarei presente.
Com Verdade.
Luz.
E Amor.

**********************************
Inscreva-se em nossa NewsLetter e receba semanalmente a postagem de destaque de cada semana do nosso blog MAIS DE MIL FRASES DE EFEITO. Vídeos motivacionais, Sugestão de Filmes de Efeito, Sons de Efeito, Vídeos de Efeito, Frases de Efeito, Matérias de Efeito, resumos de livros de Auto-Ajuda e muito, muito mais.
Preencha a linha abaixo com seu e-mail e usufrua Já desta vantagem:
Coloque aqui seu e-mail:



My Great Web page

5 comentários:

Blogmaster disse...

Esta é sem dúvidas a melhor postagem que já li Tom!Muito bom para iniciar o ano com nova forma de pensar...sem palavras...fenomenal!

Francis Silva disse...

Estou maravilhada e emocionada com está postagem.Foi Como se Deus falasse diretamente comigo.E sei que não foi por mero acaso, tudo se esclareceu em minha mente a medida que eu lia cada palavra.Tenho absoluta certeza que Deus usou você para fazer essa postagem e lhe sou muito grata por isso e por eu ter tomado conhecimento do seu blog.Saiba que ontem falei com Deus e lhe pedi sinais de que minha oração estava sendo ouvida e lhe me respondeu através desta postagem que você publicou.Deus o abenções e ilumine cada vez Tom!

Vilma Panthaleao disse...

Olá!
Gratidão, por essa maravilhosa e esclarecedora postagem. Ele "Deus" conversou comigo através desse meio, pois era tudo que eu precisava hoje.

Muito Grata!

Muita Luz e Amor na caminhada de cada um.

Vilma Leão

Tom R. disse...

Bom saber, pelos comentários até aqui, que esta postagem provoca o que provocou em mim também: Uma lucidez, paz e renascimento sem igual. Muitas respostas que eu procurava foram encontradas nesse livro e nos volumes 2 e 3 que recomendo fervorosamente. Deus realmente falou com o autor e fala com cada um de nós através deste livro pois a verdade revelada nele é algo que carregamos na alma. Não precisamos aprender. Apenas lembrar.

Jamile Cruz disse...

Nunca li algo tão maravilhoso. é exatamente isso sem tirar nem acrescentar uma única virgula.

Até poucos minutos atrás eu comentei com uma colega de trabalho que Deus não me ouve e eis a resposta para as minhas dúvidas.

Grata _/\_